Américas Câmara dos Representantes viabiliza proposta de reforma fiscal nos EUA

Câmara dos Representantes viabiliza proposta de reforma fiscal nos EUA

A proposta desenhada pela Câmara dos Representantes passou, com 227 votos a favor, numa altura em que o Senado está a desenhar também a sua própria proposta para a reforma fiscal ambiciosa prometida por Donald Trump.
Câmara dos Representantes viabiliza proposta de reforma fiscal nos EUA
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 16 de novembro de 2017 às 20:06

A Câmara dos Representantes nos EUA aprovou esta quinta-feira, 16 de Novembro, a proposta republicana de reforma fiscal, que enfrenta agora uma outra proposta paralela, em desenvolvimento no Senado, e onde os senadores republicanos têm levantado dúvidas quanto à sua execução.

O documento foi aprovado com 227 votos a favor e 205 contra, tendo 13 republicanos votado contra e sem que tivesse havido democratas a votar favoravelmente a proposta que, entre outros domínios, estabelece a redução da taxa de IRC de 35% para 20%. 

A intenção da administração Trump é conseguir viabilizar até ao final do ano uma proposta para reduzir impostos em cerca de 1,5 biliões de dólares, com ambas as propostas - Senado e Câmara dos Representantes - a beneficiarem em 80% as empresas e os cidadãos mais ricos com o corte de carga fiscal. O número de escalões do IRS passaria, segundo o documento, de sete para quatro.

Uma proposta que implica, por outro lado, uma potencial perda de receita e um agravamento da dívida e do défice, um argumento que Trump e os republicanos têm tentado contrariar, apresentando como contraponto o efeito positivo na economia da descida de impostos, com a criação de mais emprego e rendimento para as famílias. 

Segundo o The Washington Post, que cita um estudo da Tax Foundation, a proposta da Câmara dos Representantes poderá criar 890 mil empregos, mas a criação de rendimento e a contribuição para o crescimento da economia não seriam suficientes para amortecer a totalidade do impacto na dívida, deixando por cobrir 1 bilião de dólares.

Já o documento em desenho no Senado, segundo uma análise do Joint Committee on Taxation, deverá beneficiar de forma desigual os mais ricos, deixando no longo prazo os mais pobres com impostos mais elevados do que se o Senado não interviesse neste domínio.

A proposta do Senado é considerada arriscada, uma vez que além das divergências entre republicanos que tornam ainda mais curta a sua maioria nesta instância, está directamente ligada a uma outra medida: a de revogar a obrigação de adesão dos contribuintes a planos de saúde no âmbito do Affordable Care Act desenhado por Obama.

Essa ligação (que, potencialmente, deixará mais 13 milhões de pessoas sem cobertura de seguro de saúde até 2027 se aprovada) sujeita-a a um risco de rejeição semelhante ao que foi criado aquando da tentativa - fracassada - de revogar o Obamacare.


Espera-se que o comité de finanças do Senado dê luz verde à sua proposta até sexta-feira, de acordo com a CNBC.

Os democratas censuraram entretanto a viabilização do projecto na Câmara dos Representantes - "É uma peça legislativa vergonhosa", considerou a líder dos democratas na câmara, Nancy Pelosi.

No Twitter, o presidente Donald Trump limitou-se a republicar o post colocado pelo grupo republicano na Câmara dos Representantes, onde se lê: "APROVADO".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Criador de Touros Há 4 semanas

Mercados de feição com as boas notícias !!

pub