Autarquias Câmaras vão receber 79 milhões em juros

Câmaras vão receber 79 milhões em juros

O Governo vai transferir para as câmaras municipais os juros de mora relativos ao pagamento de IMI e IMT dos últimos 12 anos. O dinheiro será transferido de uma só vez nos próximos dias. Lisboa é a câmara que mais tem a receber; já o Corvo encaixa 135 euros.
Câmaras vão receber 79 milhões em juros
Bruno simão
Bruno Simões 04 de Janeiro de 2017 às 00:01

Os juros de mora relativos ao pagamento dos impostos municipais sobre Imóveis (IMI) e sobre Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) dos últimos 12 anos vão chegar em breve aos cofres das autarquias. Todas as câmaras têm dinheiro a receber, umas mais do que outras. As verbas relativas ao atraso no pagamento destes impostos municipais estavam retidas na Autoridade Tributária, mas o Governo decidiu transferi-las para as câmaras, uma vez que se trata de receitas municipais.

Em causa estão 78,7 milhões de euros que, de acordo com fonte oficial do gabinete do ministro adjunto, Eduardo Cabrita, vão ser transferidos de uma só vez e "já nos próximos dias" para os cofres dos municípios, sem concretizar se tal ocorrerá até ao fim desta semana. É apenas garantido que será este mês.

As câmaras que mais recebem são aquelas em que o mercado imobiliário tem maior vitalidade. Lisboa é quem mais encaixa – pouco mais de seis milhões de euros. Segue-se Sintra, o segundo município mais populoso do país, que recebe 4,2 milhões de euros, e Cascais, com 3,3 milhões de euros. Vila Nova de Gaia, com 2,7 milhões, e Loulé, que vai receber 2,5 milhões, fecham a lista das cinco que mais recebem (e reúnem uma fatia considerável dos juros a transferir: 18,7 milhões).

Entre os 20 municípios que mais verba vão receber a título de juros de mora estão, além de autarquias das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, capitais de distrito, como Braga e Setúbal, e o Funchal. No extremo oposto da tabela, o Corvo só terá direito a 135,4 euros, e Barrancos encaixará 897 euros. São boas notícias para os municípios, especialmente em ano de autárquicas.

Apesar de os juros de mora serem relativos a impostos municipais, estas verbas não eram reconhecidas como receitas municipais. A liquidação e cobrança dos impostos municipais é feita pela Autoridade Tributária, que fica com 2,5% dessas receitas.

Governo aumenta informação

Actualmente, os municípios não têm acesso a grande parte da informação sobre os seus próprios impostos. Apenas sabem quanto receberam, ignorando o número de contribuintes que não pagou determinado tributo. Uma situação que é alterada no Orçamento do Estado deste ano.

A partir de agora, a AT passa a comunicar às câmaras municipais, até 31 de Maio, o valor patrimonial tributário (VPT) de "cada prédio situado no seu território", incluindo a identificação dos respectivos contribuintes (nome, número de contribuinte e domicílio fiscal) e os prédios isentos.

No IMT, as câmaras vão receber a "identificação dos sujeitos passivos e o valor de imposto liquidado" nas respectivas transacções de imóveis. As autarquias ficarão ainda a saber o valor da derrama de IRC que foi liquidada por sujeito passivo.

Até 31 de Julho, as câmaras ficarão ainda a saber o número e montante de processos de execução fiscal que estão em curso, desagregados por imposto municipal.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


Os FP/CGA devem mais de 30 mil milhões de € ao estado (aos restantes contribuintes).


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o pagamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.


comentários mais recentes
Nao chega para nada os Milhoes de estes Há 1 dia

Como se isso desse para alguma coisa, se nao para algumas jantaradas, dos boys. Pais a saque dos ciganos das politicas.

alfa Há 1 semana

Quem vai pagar esta festa?

Anónimo Há 1 semana


Os FP/CGA devem mais de 30 mil milhões de € ao estado (aos restantes contribuintes).


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o pagamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.


Anónimo Há 1 semana

Afinal nem com retificativos as contas do governo Passos e Portas batiam certo... afinal haviam uns milhões em juros... que não teriam de ser pagos se as transferências tivessem sido feitas a tempo e horas... fomos mesmo enganados naqueles anos...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub