Economia “Cambão” de milhões deixa Câmara de Paredes à beira da falência

“Cambão” de milhões deixa Câmara de Paredes à beira da falência

Presidente da Câmara de Paredes revela “situação financeira grave e insustentável” da autarquia devido à devolução de seis milhões de euros de fundos comunitários, no âmbito de um processo movido pelo Organismo Europeu Anti-fraude, a que acresce um relatório demolidor da inspecção-Geral de Finanças.
“Cambão” de milhões deixa Câmara de Paredes à beira da falência
Alexandre Almeida, presidente da Câmara de Paredes
Rui Neves 13 de dezembro de 2017 às 12:56

O economista e socialista Alexandre Almeida, que foi eleito presidente da Câmara de Paredes nas últimas Autárquicas, em Outubro passado, vai promover na próxima quinta-feira, 14 de Dezembro, uma conferência de imprensa onde promete revelar "a situação financeira gravíssima e insustentável" do município, "condicionada pelo anterior executivo e pela devolução de seis milhões de euros de fundos comunitários".

 

A devolução desta verba ocorre no âmbito do processo movido à Câmara de Paredes pelo Organismo Europeu Anti-fraude (OLAF), que descobriu indícios de fraude com fundos comunitários atribuídos à autarquia para a construção de escolas.

 

Suspeitas de viciação na contratação de empreitadas dos centros escolares de Duas Igrejas, Recarei, Sabrosa e Vilela levaram a OLAF a propor a devolução de seis milhões de euros.

 

O sucessor de Celso Ferreira (PSD) na presidência da autarquia promete também tornar públicas as conclusões da auditoria da Inspecção-Geral de Finanças (IGF), realizada no ano passado e cujo relatório foi "recepcionado a 7 de Novembro de 2017", que "revela que a Câmara de Paredes não estava a cumprir com o Estado, no final de 2015, com as obrigações a que estava comprometida pelo Programa de Apoio à Economia Local (PAEL) referentes ao empréstimo de 19,7 milhões de euros, contraído em 2013, a pagar em 14 anos".

 

Na conferência de imprensa de Alexandre Almeida será ainda abordado o orçamento do município para 2018 - "contas difíceis e condicionadas pelo orçamento de má herança", alerta o autarca. 




(Notícia actualizada às 13:19)




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
alexandre nobre fonseca 16.12.2017

Estranho é, pois só agora reparar da herança recebida. Mas prometeu trabalho então tem de o demostrar, nunca com queixas tipo miúdos da escola primária, pois quando recebemos o q for, nunca sabemos qual é tipo de bomba, preparado para ela há isso sim. Nunca digas nunca.

Anónimo 15.12.2017

Já houve quem recebeu um pais assim para governar e safou-se. desenrasca-te...lol

Anónimo 14.12.2017

Vivam os bananas e a sua républica, yhé

Anónimo 14.12.2017

A corrupção nas autarquias a norte do país, dominadas pelo PSD, e a regra geral. É um compadrio que só tem paralelo em países da América Latina.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub