Política Capoulas Santos: Relatórios dizem que gestão do Pinhal de Leiria era a adequada

Capoulas Santos: Relatórios dizem que gestão do Pinhal de Leiria era a adequada

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural afirmou hoje que tinha indicação de que a gestão do Pinhal de Leiria era a adequada, mas admitiu que aquela mata nacional possa vir a ser gerida de uma outra forma.
Capoulas Santos: Relatórios dizem que gestão do Pinhal de Leiria era a adequada
Miguel Baltazar
Lusa 18 de outubro de 2017 às 15:01

"A informação que tenho é que a gestão de combustível tem sido realizada, do ponto de vista técnico, de forma adequada", afirmou hoje aos jornalistas o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, questionado sobre a gestão e limpeza do Pinhal de Leiria, também conhecido como Pinhal do Rei, que está a cargo do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

 

O ministro sublinhou que tem de confiar "nos serviços técnicos", apesar de não menosprezar, nem subestimar, "os alertas e as opiniões de técnicos exteriores à administração e de cidadãos interessados".

 

Apesar de recordar as informações prestadas pelo ICNF, Capoulas Santos sublinhou também as "restrições financeiras, de equipamentos e pessoais", considerando que a "enorme redução de meios" na administração pública terá tido consequências a vários níveis, não podendo no entanto referir se essa é a causa imediata da destruição de 80% do Pinhal de Leiria por causa de um incêndio.

 

Questionado sobre a possibilidade de a gestão daquela mata nacional poder ser entregue à autarquia da Marinha Grande, o ministro referiu que "o Estado já demonstrou que, sempre que assumiu funções de empresário, normalmente não foi muito bem sucedido".

 

"Há outras fórmulas, hoje, que permitem uma gestão mais eficiente do que a administração central", notou, afirmando que, no contexto da reforma da floresta, há a perspectiva de colocar "na gestão da floresta, em primeiro lugar, quem está mais próximo dos interesses privados".

 

O membro do executivo explanou que pode ser "uma hipótese" a utilização da figura da entidade de gestão florestal - diploma previsto na reforma da floresta e que ainda está em apreciação no Parlamento.

 

"Estamos abertos a encontrar novas formas de gestão que sejam mais eficazes, mais próximas e que permitam uma gestão mais profissional", sublinhou, recordando que essas mesmas entidades, previstas no diploma, podem ter a participação de empresas, cooperativas, autarquias ou entidades em que as autarquias participem.

 

Gabriel Roldão, um estudioso do Pinhal de Leiria, disse na terça-feira à agência Lusa que há anos que avisava que o incêndio de domingo que devastou a mata de pinheiro bravo "ia acontecer".

 

Em agosto, tinha também lançado o alerta numa outra reportagem da agência Lusa.

 

Após o incêndio, o próprio município da Marinha Grande afirmou que a limpeza da mata não estava "tão bem quanto seria desejável", ressalvando que o Pinhal "é exemplar" em termos de ordenamento.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Como alguém já disse: Destinem 10% do lucro da floresta para aplicação OBRIGATÓRIA na atividade agrícola e praticamente tudo se regulará por si. Nesta altura eu até sugeria 20%... Desta forma poderia desenvolver-se a componente agrícola que é bem menos lucrativa e mais trabalhosa...

Pontodevista... Há 23 horas

Parece que o Sr. ministro, apesar de ser um repetente na "arte" de governar, não aprendeu nada. Continua-se a ser incompetente e a dizer sempre que a culpa é dos outros (quando se governa e nada se faz), quando se está na oposição há soluções para tudo.
E que tal começar a criminalizar as incompetências de quem nos governa? Especialmente quando se perdem vidas...

zé dos Bois Há 1 dia

cá está o "Crapula" Santos a sacudir a água do capote.
Com que então os donos da floresta devem mante-la limpa. .. Então que é que o estado andou a fazer nos terrenos geridos pelo estado?
demita-se também , é o mínimo.... ou não aprenderam nada com as matas do Caramulo ?

Anónimo Há 1 dia

Afinal, onde está o povo trabalhador e o partido que diz defender?
Onde têm estado os responsáveis pela defesa, segurança, agricultura e florestas...?
Por que é que ainda não foram de férias...?
É tempo de acabar com escolhas de direita e esquerda e escolher quem é normal, competente e capaz...!

ver mais comentários
pub