União Europeia Carles Puigdemont: “Sinto-me já como o presidente de um país livre”

Carles Puigdemont: “Sinto-me já como o presidente de um país livre”

O presidente do governo regional da Catalunha deu uma entrevista ao jornal alemão Bild onde diz sentir-se “já como o presidente de um país livre onde milhões de pessoas tomaram uma importante decisão”.
Carles Puigdemont: “Sinto-me já como o presidente de um país livre”
Reuters

Carles Puigdemont (na foto), presidente do governo regional da Catalunha, deu uma entrevista ao jornal alemão Bild, que vai ser publicada amanhã e está a ser citada pela Reuters, onde diz sentir-se "como o presidente de um país livre".

"Sinto-me já o presidente de um país livre onde milhões de pessoas tomaram uma decisão importante", disse o responsável ao jornal.


Entretanto, o primeiro vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, apelou no Parlamento Europeu às negociações entre Madrid e região autonómica. "É hora de conversar", disse o responsável.

Por esta altura, está a ser especulado na imprensa espanhola que a Catalunha pode declarar a independência unilateralmente na próxima segunda-feira. O presidente do governo catalão poderá aproveitar a presença no plenário do parlamento regional, marcado preliminarmente para a próxima segunda-feira, para avançar com uma declaração unilateral de independência, na sequência do resultado do referendo de domingo passado.

É essa a interpretação feita pela imprensa espanhola, que esta quarta-feira, 4 de Outubro, dá conta de que os partidos Junts pel Sí e CUP agendaram um plenário do parlamento onde se espera que Carles Puigdemont avalie os eventos de 1 de Outubro e explique os "efeitos" decorrentes da votação popular, cuja lei foi suspensa pelo Tribunal Constitucional espanhol.

A presença de Puigdemont é requerida ao abrigo ao abrigo do artigo 169.º do regulamento do parlamento, mas ainda é necessário registá-lo formalmente para que seja efectivo.

A notícia da marcação da reunião surge no dia em que está marcada (para as 21:00 em Barcelona, menos uma hora em Portugal Continental) uma declaração de Carles Puigdemont, 24 horas depois de o rei de Espanha se ter referido à situação na Catalunha como uma "deslealdade inadmissível" do governo regional para com o Estado, de se colocar à margem da democracia e de "quebrar a unidade de Espanha".

Ontem, o rei de Espanha falou ao país. Num curto mas duro discurso, o rei de Espanha acusou os dirigentes políticos da Catalunha de "deslealdade inadmissível" e reiterou o compromisso da coroa com a "unidade e permanência de Espanha".




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Catalunha é merda Há 1 semana

Este Carles punheta merecia a pena de morte pela traição feita. Prisão com ele já!

Anónimo Há 1 semana

Um país sem moeda, sem uma estrutura militar, sem uma estrutura fiscal, sem nada, acham que vão ter o apoio da Europa? isolados nesta aventura e acham que Espanha vai ficar de braços cruzados? .... vai ser bonito.
Os candidatos a Caudillos estão à espreita ...... pela gracia de Dios.

Anónimo Há 1 semana

UM PSICOPATA POLITICO VAI DESGRAÇAR O SEU POVO, SÓ ELE NÃO VÊ, MAS ACHA-SE UM HERÓI. E O POVO TAMBÉM É CEGO POIS DEIXA-SE MANIPULAR POR ESTE TIPO DE PULHAS. ESTE E O PASSOS CAMELO SÃO QUASE IGUAIS, PSICOPATAS POLÍTICOS.

Anónimo Há 1 semana

AINDA NÃO TEM PAÍS E JÁ SE AUTO ELEGEU. FORÇA CAMARADA A VITÓRIA ESTÁ PRÓXIMA !!!!!-!!!!!!


ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub