Justiça Carlos Alexandre mantém-se no tribunal dos megaprocessos

Carlos Alexandre mantém-se no tribunal dos megaprocessos

Apesar da quebra na remuneração, o juiz decidiu não entrar no concurso em que poderia vir a ser promovido a desembargador, segundo o CM.
Carlos Alexandre mantém-se no tribunal dos megaprocessos
Negócios 23 de janeiro de 2017 às 11:25

O juiz Carlos Alexandre decidiu não participar no concurso em aberto para os tribunais da Relação, cujo prazo termina a 2 de Fevereiro, em que poderia vir a ser promovido a desembargador, escreve o Correio da Manhã na edição desta segunda-feira, 23 de Janeiro.

 

Segundo o mesmo jornal, este juiz envolvido em megaprocessos, como a Operação Marquês, ponderou pela primeira vez abandonar o Tribunal Central de Instrução Criminal na sequência de uma orientação, definida pelo Conselho Superior de Magistratura (CSM), para limitar a troca de turnos.

 

Numa polémica entrevista à SIC, emitida a 7 de Setembro, Carlos Alexandre queixou-se de cortes no ordenado ao longo da última década e admitiu que tinha trabalhado 48 dos 52 sábados do ano porque precisava de dinheiro. Poucos dias depois, o CSM informou as comarcas de que a substituição de juízes nos turnos só pode "ocorrer nos casos em que haja justificação razoável".

 

A 13 de Outubro, este órgão de gestão e disciplina dos juízes decidiu instaurar um inquérito a Carlos Alexandre depois de uma queixa de José Sócrates sobre o conteúdo da entrevista televisiva dada pelo magistrado. Acabou por ser arquivado dois meses depois, com a justificação de que "pese embora sendo pouco felizes na sua expressão algumas dessas declarações, as mesmas não se revestiam de relevância disciplinar".

 

O Correio da Manhã recorda que, caso avançasse com esta candidatura aos tribunais da Relação, Carlos Alexandre iria apresentar-se perante um júri do CSM onde estariam também Mário Morgado e Sousa Pinto, precisamente membros que votaram a favor da abertura de um processo disciplinar contra o magistrado do Tribunal Central de Instrução Criminal.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mamede Machado 24.01.2017

O que fizeram foi uma forma de o aliciar a sair para ser arrumado dos processos dos corruptos e ladrões que tem em mãos mas o Meritissimo Carlos Alexandre mostrou mais uma vez a sua honestidade e brio profissional. GRANDE SENHOR PARABÉNS.

Anónimo 23.01.2017

Ó João, a ignorância é atrevida. Olha que há mais Juizes de Instrução. Pode ser é que, só um te tire o sono. A ti e a mais alguns. Levar alguém a julgamento não é poder, porque este senhor não decide mais do que isso. Não te enerves.

Anónimo 23.01.2017

Atão os Srs Deitores morgados/pintos não gostam da verdade!!!?
a DRª Van Unen tem que chamar os meninos à pedra e graças a Deus ela é bem capaz para o fazer.
Deus te ajude Portugal!!!!!!!!!!!

joao 23.01.2017

claro que não sai. O poder é muito bom! e este senhor é o dono disto tudo desde há uns anos a esta parte. O problema maior é a justiça dar tanto poder a um senhor só. E a pergunta que se impõe é quem avalia este senhor?

pub