Política Carlos César assume "falha" do PS na votação do relatório mas desvaloriza o caso

Carlos César assume "falha" do PS na votação do relatório mas desvaloriza o caso

O líder parlamentar do PS assumiu esta quarta-feira "a falha" da sua bancada na votação do relatório da comissão de inquérito sobre a CGD, que foi chumbado pela oposição PSD/CDS-PP por estarem ausentes na votação dois deputados socialistas.
Carlos César assume "falha" do PS na votação do relatório mas desvaloriza o caso
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 19 de julho de 2017 às 15:35
Carlos César falava aos jornalistas no final da reunião da bancada do PS, depois de ter sido confrontado com a situação insólita de, na terça-feira, o corpo global do relatório da comissão de inquérito sobre os créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), da autoria do deputado socialista Carlos Pereira, ter sido chumbado devido à ausência de dois deputados do PS no momento da votação.

No momento da votação, encontravam-se na sala cinco deputados do PS de um total de sete efectivos - estando ausentes João Galamba e Susana Amador -, um do BE e um do PCP, que votaram a favor do relatório. Mas os seis deputados do PSD e o elemento do CDS-PP empataram a votação - e, no caso de empate, o texto é chumbado.

"Acontece", foi a primeira reacção do líder da bancada socialista sobre este episódio, dizendo, depois, porém, que se tratou "de uma falha do Grupo Parlamentar do PS".

O presidente da bancada socialista preferiu antes salientar que, em termos de "conclusão política", esse relatório sobre a CGD teve "o apoio da maioria do parlamento, ou seja, do PS, do Bloco de Esquerda e do PCP".

"Por razões momentâneas e de expediente dos proponentes da votação não estavam nessa altura todos os deputados nos trabalhos da comissão. Isso até acontece por razões que têm a ver com o funcionamento da Assembleia da República e que deveria merecer reflexão", alegou Carlos César.

Nesse contexto, o presidente do Grupo Parlamentar do PS detalhou as razões para a ausência de dois dos três deputados directa ou indirectamente envolvidos no episódio, referindo-se, então, aos casos da deputada Susana Amador, que era efectiva na comissão de inquérito, e de Luís Testa, que era suplente.

"Ao mesmo tempo [da votação da comissão de inquérito], numa sala exactamente ao lado, estava uma das deputadas que faz parte da representação do PS nessa comissão de inquérito. Estava justamente numa audição com o ministro da Ciência [Manuel Heitor]", disse.

De acordo com Carlos César, em outra sala ao lado "estava outro deputado, que é suplente nessa comissão e que poderia ter participado", mas encontrava-se então "num Fórum promovido pela Comissão de Economia sobre o novo aeroporto".

Em suma, segundo Carlos César, "estavam todos a trabalhar, mas não estavam era exactamente na mesma sala nesse mesmo momento".

"Portanto, estes acontecimentos têm um significado meramente casual e não qualquer significado político", defendeu o presidente do Grupo Parlamentar do PS.

Interrogado se a direcção da bancada do PS vai avançar com alguma medida disciplinar depois deste caso, Carlos César reagiu imediatamente: "Disparate".

"Então íamos introduzir uma sanção disciplinar por os deputados não estarem a trabalhar naquela sala, mas sim na sala ao lado. Isso não faz sentido", respondeu.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Água Ráz 19.07.2017

Vai enganar outro ! Parece que a coisa foi sem querer

pub