Economia Carlos César: “Estado tem deficiências na área inspectiva e fiscalizadora”

Carlos César: “Estado tem deficiências na área inspectiva e fiscalizadora”

O presidente do PS, em entrevista ao Público, admite que o Estado falha no momento de fiscalizar e que a situação que aconteceu com a Raríssimas não será caso único. Recusa que o caso possa afectar a imagem de Vieira da Silva, que foi vice-presidente da assembleia geral da instituição.
Carlos César: “Estado tem deficiências na área inspectiva e fiscalizadora”
Negócios 14 de dezembro de 2017 às 09:20

"Uma das deficiências do Estado é na área inspectiva e fiscalizadora – e não só no que toca à rede de solidariedade social", afirmou o presidente do PS em entrevista ao Público desta quinta-feira, 14 de Dezembro. Carlos César falava a propósito do caso da Raríssimas que, admite, "não será caso único" e "terá outros contornos noutras instituições". Daí que, considera, "é importante que esta actividade inspectiva seja mais abrangente, de modo a que estejamos mais descansados".

 

O líder socialista recusa que a polémica possa atingir Vieira da Silva, que foi vice-presidente da Assembleia geral da Raríssimas no período em que as contas da instituição estão agora a ser postas em causa. "Não creio" que a imagem do ministro possa ser afectada, responde Carlos César, salientando que "temos em Portugal milhares de IPSS, misericórdias, etc., que tornam Portugal um bom exemplo na assistência social e integração".

 

Do ex-secretário de Estado da Saúde, que se demitiu na sequência do desencadear da polémica à volta da Raríssimas, Carlos César afirma que "se encontrou razões para se demitir 24 horas depois, certamente teriam sido as mesmas razões que teria encontrado 24 horas antes".

 

Vieira da Silva tem afirmado estar "de consciência tranquila" quanto ao caso Raríssimas, seja enquanto governante, quer enquanto antigo membro da assembleia geral da instituição. 




pub