Política Carlos César: A única aliança sobre a CGD foi com PCP e BE para recapitalizar o banco

Carlos César: A única aliança sobre a CGD foi com PCP e BE para recapitalizar o banco

O líder parlamentar socialista rejeitou esta quarta-feira que haja "uma aliança do Bloco Central" sobre o sistema financeiro, contrapondo que a única aliança que houve foi com PCP e BE para recapitalizar a Caixa Geral de Depósitos (CGD).
Carlos César: A única aliança sobre a CGD foi com PCP e BE para recapitalizar o banco
Bruno Simão/Negócios
Lusa 21 de Outubro de 2016 às 17:08

Em declarações no final de uma audiência no Palácio de Belém, Carlos César respondeu assim à coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, que esta sexta-feira, 21 de Outubro, considerou que existe "uma aliança do Bloco Central" entre PS e PSD "preocupante" em relação ao sistema financeiro.

 

"Eu não creio que tenha havido nenhuma aliança entre o PS e outro partido qualquer na questão da CGD, excepto a aliança que houve com o BE e o PCP no sentido da recapitalização pública da Caixa Geral", contrapôs o líder parlamentar do PS.

 

Segundo Carlos César, a recapitalização do banco público "é verdadeiramente, no caso da CGD, a única coisa que interessa".

 

Hoje, questionada sobre os salários dos administradores da CGD, Catarina Martins afirmou que "sobre o sistema financeiro as divergências entre o Bloco e o Governo são imensas", desde o primeiro momento.

 

"Julgo que o primeiro sinal que existiu foi o Orçamento rectificativo do Banif que, como se sabe, o BE votou contra, e passou com o apoio do PSD", apontou.

 

"Mais uma vez, no que diz respeito aos salários do Conselho de Administração da CGD, foi votada há dois dias uma proposta, no caso, do PCP", prosseguiu, referindo que "quem votou ao lado do PS para manter os salários dos gestores foi mais uma vez o PSD".

 

A coordenadora do BE concluiu que "para o BE é preocupante que no que diz respeito ao sistema financeiro exista uma aliança do Bloco Central que não tem permitido uma alteração significativa na forma como o país encara o sistema financeiro".

 

"Mas não deixaremos, naturalmente, de trabalhar sobre essa matéria", ressalvou.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Madalena Santos Há 2 semanas

Ele e um ditador!el nao pode perder o tacho...porque atras dele vai a familia e amigos!

Cipriano Antonio Arrepia Saraiva Há 2 semanas

Este sujeito parece um ditador

Carlos Silva Há 2 semanas

Quando se trata de lixar os portugueses, há sempre uma aliança, seja ela esquerda, direita ou do centro.

Ser coerente e honesto não siginifica ter medo Há 2 semanas

antes pelo contrário. Seria bom que se percebesse que tanto o BE como o PcP, são partidos que nunca estiveram em ,de ter que decidir sobre o País. Agora que que as têm é natural que tenham medo de perder eleitorado, daí as suas duvidas e receios. Ser governo é isso mesmo, responsabilidade.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub