Política Monetária Carney vai ficar até 2019 à frente do Banco de Inglaterra

Carney vai ficar até 2019 à frente do Banco de Inglaterra

O governador do banco central do Reino Unido confirmou que estenderá, por um ano, o seu mandato que terminava em 2018. Ficará até Junho de 2019 para ajudar a suavizar os efeitos do Brexit na economia britânica.
Carney vai ficar até 2019 à frente do Banco de Inglaterra
O governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, aceitou ficar à frente da instituição por mais um ano, para lá do mandato que terminaria em 2018.

"Sentir-me-ia honrado por prolongar o meu tempo de serviço como governador por mais um ano, até ao final de Junho de 2019," afirmou esta segunda-feira, 31 de Outubro, numa carta enviada ao ministro das Finanças, Philip Hammond, e publicada pelo Banco de Inglaterra.

O objectivo da manutenção por mais um ano é, segundo o próprio, ajudar o Reino Unido numa saída "suave" da União Europeia. Carney tinha já a opção de ficar no cargo até 2021.

"Ao levar o meu mandato para lá do período esperado do processo de activação do artigo 50 [do Tratado de Lisboa, que estabelece a saída de Estados-membros da União Europeia], deverei ajudar a contribuir para assegurar uma transição ordeira para a nova relação do Reino Unido com a Europa," afirmou o responsável.

O ministro das Finanças respondeu entretanto à carta: "Estou muito contente por saber que pretende continuar como governador do Banco de Inglaterra até ao final de Junho de 2019. Isso permitirá que continue a sua liderança altamente eficaz durante um período crítico para a economia britânica enquanto negociamos a nossa saída da União Europeia." 

Esta segunda-feira, a primeira-ministra britânica Theresa May manifestou através da sua porta-voz que o governador do Banco de Inglaterra é o "homem certo" para o cargo e anunciou o apoio à sua permanência no comando da autoridade monetária.

Durante o fim-de-semana, várias publicações avançaram que Carney estava a preparar-se para deixar o cargo em 2018, enquanto o Financial Times adiantava que o governador deveria prolongar o seu contrato até 2021 para gerir a política monetária durante o processo de negociação do Brexit. 

A decisão de Carney surge três dias antes da conferência de imprensa onde vai explicar as decisões de política monetária da instituição. 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub