Política Carris: vem aí outra TSU ou é só a geringonça a funcionar?

Carris: vem aí outra TSU ou é só a geringonça a funcionar?

Depois da TSU, o PCP ameaça outro decreto aprovado em Conselho de Ministros: a passagem da Carris para a câmara de Lisboa. Os comunistas ainda não decidiram se vão mesmo pedir a revogação do processo, e para já o Governo diz-se tranquilo.
Carris: vem aí outra TSU ou é só a geringonça a funcionar?
Miguel Baltazar/Negócios
Bruno Simões 30 de janeiro de 2017 às 22:00

A descida da TSU foi o primeiro grande abalo na geringonça que suporta o Governo de António Costa no Parlamento. E o PCP acrescentou mais um possível foco de tensão à já extensa lista matérias em que não há consenso entre os parceiros da maioria parlamentar: a municipalização da Carris. Os comunistas pediram a apreciação parlamentar do decreto-lei que transfere a empresa para a câmara de Lisboa, mas ainda não decidiram o que vão fazer: se propor alternativas, se exigir a revogação de toda a operação.

A notícia surgiu este domingo, quando o Público escreveu que os comunistas surpreenderam o Executivo com este pedido de apreciação parlamentar. O PS, através do deputado João Paulo Correia, disse ao Negócios que já esperava esta iniciativa do PCP e diz que o partido está "convencido de que a municipalização é a melhor solução". Cabe aos comunistas "demonstrar que há uma solução melhor que esta", acrescenta, mostrando-se disponível para o diálogo.

Do lado do Governo, o episódio é visto com normalidade. O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares não se mostra preocupado. "Estamos tranquilos com a iniciativa do PCP",  disse ao Negócios.

Estamos tranquilos com a iniciativa do PCP. pedro nuno santos, Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares

Desta vez, o PS tem a companhia do Bloco de Esquerda, que já defendeu em público que apoia a passagem da Carris para a autarquia. Mas a posição do PSD é uma incógnita. O anterior Governo chegou a concessionar a empresa aos mexicanos da Avanza – e antes disso, em 2015, Passos Coelho travara a concessão da empresa à câmara de Lisboa. Não surpreenderia que, tendo de se pronunciar sobre o assunto, o PSD votasse pela cessação de efeitos da passagem da empresa para a autarquia.

Mas isso não é certo. O PCP ainda não decidiu se vai avançar com uma resolução para cessar os efeitos do diploma ou se vai apenas apresentar propostas de alteração. Esta segunda-feira, Jorge Frazão, dirigente do partido, disse que essa decisão "não está tomada". O agendamento da apreciação parlamentar será feito amanhã, em conferência de líderes parlamentares.

O que é certo, para já, é que amanhã a empresa passa mesmo para as mãos da câmara de Lisboa. Está até prevista uma cerimónia de manhã para assinalar a ocasião, em local ainda a confirmar, que vai contar com o presidente da câmara e com a administração da empresa.

Os sindicatos que representam os trabalhadores da Carris também estão divididos. De um lado, a Fectrans/STRUP (afecta à CGTP), que apoia a posição do PCP, e do outro o Sitra (afecto á UGT) que concorda com a municipalização. O secretário-geral deste último diz ao Negócios que considera "estranha" a posição do PCP. "No Barreiro [PCP] os transportes são geridos pela câmara e não consta que haja problemas", observa.

Novo Banco, professores e ISP a votos

Não será apenas a Carris a ameaçar a maioria de esquerda no Parlamento. Sexta-feira há pelo menos três outros possíveis focos de tensão.

Os deputados discutem um projecto de resolução do PCP que exige que o Novo Banco se mantenha na esfera pública. O Bloco também vai recomendar ao Governo que avance para a vinculação dos 6.920 professores com contrato a termo e "horários anuais e completos". E o CDS vai apresentar um diploma que visa eliminar o aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O Jerónimo da cassete vai enrugar ainda mais! 02.02.2017

Se a Carris for para a Câmara, o q faz o Arménio Carlos braço armado da comunada? E O Jerónimo cassete o q diz sobre os trabalhadores? Não haja dúvidas o Medina vai encabar até ao nó a comunada e o Arménio Carlos! Ainda bem pq acabam as greves fedorentas!

O Arménio Carlos da CGTP só tem língua! 02.02.2017

Ora, o PCP quer a CARRIS na esfera do Estado para poder fazer umas greves, assim se for para a câmara é o diabo, já não podem fazer greve se a fizerem não tem o impacto de outrora! Fazem em Lisboa mas pode não haver no Porto! Agarraram o eletricista falhado Arménio Carlos q só tem paleio mais nada!

O Arménio Carlos e o PCP fornicaram-se! 02.02.2017

O Arménio Carlos fornicou-se!
O Arménio Carlos era um electricista falhado na CARRIS! Com a gestão desta empresa pela Câmara agarraram o Arménio Carlos pelos testículos, doravante vão fazer greves ao caaralho!

O Medina espertalhão meteu o Arménio Carlos, fala barato, no porão!!

Anónimo 31.01.2017

Contando com os outros 1º grandes abalos com epicentro no J NEGÓCIOS, este já é, pelo menos o 10º primeiro grande abalo na GERINGONÇA! Que continua a funcionar e muito melhor do estes srs esperavam!

ver mais comentários
pub