Américas Casa Branca prepara pacote de ajuda de 4.900 milhões de euros após a passagem de furacão Harvey

Casa Branca prepara pacote de ajuda de 4.900 milhões de euros após a passagem de furacão Harvey

A Casa Branca está a preparar um pacote inicial de ajuda de 5,9 mil milhões de dólares (4,9 mil milhões de euros), na sequência da passagem do furacão Harvey pelo sul dos Estados Unidos.
Casa Branca prepara pacote de ajuda de 4.900 milhões de euros após a passagem de furacão Harvey
Reuters
Lusa 01 de setembro de 2017 às 07:37
A proposta do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que está a ser finalizada, deverá ser votada no Congresso na próxima semana, disse uma fonte da administração norte-americana, que pediu o anonimato, citada pela agência noticiosa Associated Press (AP).

Este plano inicial de ajuda promete representar apenas uma fração de um eventual pacote de recuperação pós-Harvey passível de 'rivalizar' com os mais de 100 mil milhões de dólares (83,9 mil milhões de euros) de assistência financeira às vítimas do furacão Katrina em 2005.

A mesma fonte afirmou que o plano inicial de ajuda vai ser submetido durante o dia ao Congresso dos Estados Unidos, pelo que a votação na Câmara dos Representantes e no Senado deverá realizar-se na próxima semana.

Os líderes republicanos da Câmara dos Representantes assinalaram que pretendem agir rapidamente no que toca à ajuda pós-Harvey. Tranches de montantes mais elevados vão ser necessárias, mas o pacote inicial -- que visa 'abastecer' os cofres da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA, na sigla em inglês) até ao próximo dia 30 -- não deve ser controverso.

A FEMA tem vindo a gastar, a um ritmo rápido, as reservas existentes para desastres, avaliadas em apenas 2,1 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros) até quinta-feira.

O montante inicial de assistência vai figurar como uma espécie de adiantamento para os esforços de recuperação mais imediatos, devendo ser seguido por pacotes de ajuda mais 'reforçados', afirmou o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca Tom Bossert.

A avaliação total da amplitude dos prejuízos e das necessidades ainda vai demorar semanas ou até meses a ser concluída.

Em Agosto de 2005, o furacão Katrina foi o maior desastre natural que os Estados Unidos enfrentaram, com 1.800 mortos entre a população de Nova Orleães, no estado de Louisiana, que foi vítima de uma subida brutal das águas do mar e da ruptura de diques. Os custos de recuperação ascendido a 110 mil milhões de dólares (92,3 mil milhões de euros).

A tempestade Sandy, em 2012, foi seguida de um pacote de ajuda federal de 54 mil milhões de dólares (45,3 mil milhões de euros).

O Harvey - que chegou como furacão de categoria 4 numa escala de 5 no passado fim de semana, convertendo-se dias depois numa tempestade tropical, e finalmente, esta quarta-feira, numa depressão - provocou directa ou indirectamente 33 mortos, segundo o mais recente balanço oficial.

Em Houston, cidade de 2,3 milhões de habitantes, o Harvey causou inundações sem precedentes na história dos Estados Unidos e enormes prejuízos.

Este é o primeiro desastre natural que Trump enfrenta enquanto Presidente dos Estados Unidos.

Donald Trump vai regressar no sábado ao estado do Texas, para visitar as zonas mais afectadas pelas inundações provocadas pelo Harvey.

Trump esteve na terça-feira em Corpus Christi, cidade com 320 mil habitantes onde o furacão Harvey tocou terra na sexta-feira, mas que não foi tão afectada pelas chuvas como Houston.

O Presidente norte-americano também esteve em Austin, capital do Texas, onde se reuniu com as autoridades estatais e serviços de emergência.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub