Saúde Caso Raríssimas: CDS considera demissões "inevitáveis" mas não esgotam necessidade de esclarecimento

Caso Raríssimas: CDS considera demissões "inevitáveis" mas não esgotam necessidade de esclarecimento

O CDS-PP classificou hoje como "inevitável" a demissão do secretário de Estado da Saúde, mas considerou que "não esgota" a necessidade de esclarecimento e vai questionar o ministro Vieira da Silva sobre as denúncias relativas à Associação Raríssimas.
Caso Raríssimas: CDS considera demissões "inevitáveis" mas não esgotam necessidade de esclarecimento
Bruno Simão/Negócios
Lusa 12 de dezembro de 2017 às 17:33
Em conferência de imprensa na Assembleia da República, o deputado e porta-voz do CDS-PP João Almeida anunciou que o partido irá entregar ainda hoje no parlamento um conjunto de perguntas, por escrito, ao ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva.

"As perguntas do CDS são muito claras: que tipo de denúncias, em que momento foram feitas essas denúncias, quem delas tomou conhecimento, que acções foram desencadeadas a partir daí", explicou João Almeida, considerando que estas questões não foram respondidas na segunda-feira pelo ministro Vieira da Silva.

Sobre as demissões, hoje conhecidas, do secretário de Estado da Saúde e da presidente da Raríssimas, o porta-voz do CDS-PP considerou que "havia um conjunto de consequências inevitáveis".

"Nós vimos, desde que saiu a notícia sobre eventuais irregularidades na Associação Raríssimas, um conjunto de consequências, entre as quais a demissão de um secretário de Estado, que eram inevitáveis, mas do nosso ponto de vista isso não esgota o esclarecimento da questão", frisou.



Notícias Relacionadas
Saber mais e Alertas
pub