Saúde Casos confirmados de sarampo sobem para 15

Casos confirmados de sarampo sobem para 15

O número de casos confirmados de sarampo em Portugal aumentou para 15, havendo mais 11 em investigação, segundo os últimos números da Direcção-Geral de Saúde (DGS).
Casos confirmados de sarampo sobem para 15
Micaela Neto/Sábado
Lusa 17 de abril de 2017 às 19:58

Os últimos números da DGS davam conta de 11 casos confirmados e 12 em fase de investigação desde Janeiro.

 

Hoje, em declarações aos jornalistas, o director-geral da Saúde, Francisco George (na foto), salientou no entanto que não há que temer "uma epidemia em grande escala" nem preocupante, porque pessoas com mais de 40 anos tiveram a doença e por isso estão imunes e os mais jovens também estão imunizados pela vacina.

 

Dos 15 casos confirmados, precisou o responsável, sete são no Algarve e os restantes na região de Lisboa e o único preocupante é o de uma jovem adolescente internada no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, e que corre perigo de vida.

O director-geral falou apenas de um caso grave e explicou que, em média, por cada 100 casos de sarampo há um "que pode não correr bem". "A jovem está estável mas numa condição muito difícil em termos de prognóstico", disse.

 

Francisco George aconselhou a vacinação das crianças a partir dos nove meses e defendeu que em Portugal se devia fazer um debate sobre a vacinação, para perceber se há pais que não vacinam os filhos e porque não o fazem.

 

José Gonçalo Marques, pediatra, da comissão técnica de vacinação da DGS, disse que as crianças são o grupo mais afetado no actual surto e salientou que não se trata de uma epidemia no sentido de que a população esteja em risco.

 

"O (combate ao) sarampo requer uma vacinação superior a 95%. Começamos a ter pais que recusam a vacinação dos filhos. Não atingindo os 95% pode afectar algumas pessoas, incluindo as que não podem ser vacinadas, como grávidas ou imunodeprimidos", explicou.

 

O especialista também defendeu que é preciso debater a questão da vacinação em Portugal, nomeadamente o direito que os pais têm de não vacinar os filhos mas também o direito que as crianças têm de ser vacinadas. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Homem das Cavernas Há 1 semana

Aparições de Fátima, Astrologia, Homeopatia, Vacinas que provocam autismo, etc, etc. Em 2017 continua a haver muita gente a acreditar em coisas sem NENHUMA evidência. Nada. Nada. Nada confirma qualquer destas teorias. Como pode haver tanta gente a segui-las? Como?

pub
pub
pub
pub