Zona Euro Catalunha já terá perdido o estatuto de região mais rica de Espanha

Catalunha já terá perdido o estatuto de região mais rica de Espanha

Várias empresas anunciaram já a retirada da sua sede da Catalunha, uma vez que a região pode declarar a independência unilateralmente. Com a saída das empresas, sai também capital o que faz diminuir o PIB da Catalunha. Por uma margem pequena, a Comunidade de Madrid é agora a região mais rica, segundo um estudo.
Catalunha já terá perdido o estatuto de região mais rica de Espanha
Reuters
Ana Laranjeiro 10 de outubro de 2017 às 11:30

Se Carles Puigdemont, presidente do governo regional da Catalunha, vai ou não, esta tarde (às 17:00 em Lisboa) declarar a independência unilateral da Catalunha ainda não é possível garantir. O cenário que parece mais provável é precisamente esse. Contudo, muitos vão esperar para ver.

Várias empresas, ao longo dos últimos dias, anunciaram a retirada da sua sede desta região autónoma. Com isso, saiu capital e a Catalunha deixou de ser a região mais rica de Espanha. A Comunidade de Madrid ficou com o lugar que, historicamente, pertencia aos catalães.

"Com base nos últimos dados disponíveis, a Catalunha perdeu, pelo menos, 3.770 milhões de euros, ou 0,33% do PIB, a favor de outras regiões", refere David Veredas, professor de Mercados Financeiros, na Vlerick Business School em Bruxelas, e autor do estudo que revela que a Catalunha deixou de ser a região com o PIB mais elevado em Espanha.

Estes cálculos, explicou o académico, citados pelo jornal económico Cinco Días, têm por base o impacto que a saída de cerca de 20 empresas, que publicamente já confirmaram a saída da sua sede da Catalunha, tem para a economia local. Porém, o impacto para a economia local pode ser agravado se outras empresas decidirem também deixar de ter sede na Catalunha. As perdas podem chegar aos 6.580 milhões de euros.

"Após a fuga de empresas, o contributo da Catalunha para o PIB de Espanha baixou dos 19,025% para 18,687%", estima o académico citado pela publicação. "Madrid subiu de 18,926% para 19,036%" e fica "como o motor económico do país em detrimento da Catalunha", acrescentou. O jornal consultou fontes da Comissão Europeia que, apesar de assinalarem que têm métodos mais complexos para calcular o PIB, reconhecem que as contas do académico da Vlerick Business School vão na direcção certa.

David Veredas tem por base os dados do gabinete espanhol de estatística. O professor estima que, com a saída das empresas que já tornaram pública a mudança da sua sede, o PIB da Catalunha fique nos 208.141 milhões de euros, face aos 211.915 milhões de euros que tinha anteriormente. A Comunidade de Madrid fica com um PIB de 212.029 milhões de euros, acima dos 210.0812 milhões de euros estimados antes da deslocalização da sede de empresas.

O académico defende ainda, citado pelo Cinco Días, que o impacto para o PIB da Catalunha vai manter-se enquanto a situação actual persistir – enquanto a Catalunha fizer parte de Espanha e as empresas catalães se instalem em outras regiões. "No caso da independência, é provável que essas empresas criem uma filial na Catalunha para gerir o negócio nesse território e, nesse caso, essa nova empresa vai contribuir para o PIB catalão", acrescentou.

IBEX perde representação catalã

Há cerca de uma semana, antes de várias empresas anunciarem a deslocalização da sua sede, sete empresas listadas no IBEX 35 tinham a sua sede na Catalunha. Agora, apenas uma. O Cinco Días aponta que desde a realização do referendo que mais de 30 grandes empresas anunciaram que iam mudar a sua sede, 11 das quais cotadas em bolsa, acumulando um valor de 78.130 milhões de euros que deixa de estar sedeado na Catalunha.

Por outro lado, o braço-de-ferro entre Madrid e Barcelona pode estar a retirar atractividade aos activos espanhóis. A Invest Iberia, à Bloomberg, apontou precisamente que as tensões políticas em Espanha, devido à questão da Catalunha, estão a fazer com que "muitas empresas pequenas portuguesas que não estavam no radar" estejam "a ser descobertas pelos investidores".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SALAZAR 10.10.2017

ISSO É SÓ TEMPORÁRIO PARA EVITAR RISCOS DECORRENTES DE FICAREM FORA DA UNIÃO DURANTE ALGUM TEMPO. E SÓ FAZ SENTIDO SOBRETUDO PARA AS GRANDES EMPRESAS COTADAS. DEPOIS VOLTAM À CATALUNHA. NÃO FOI POR ACASO QUE O CAIXABANK SE MUDOU PARA VALÊNCIA E NÃO MADRID.

Anónimo 10.10.2017

Viva a Republica da Catalunha!!!

Anónimo 10.10.2017

Estudo encomendado porque não é liquido que saiam de Barcelona e entrem em Madrid... pelo contrário saiem de Barcelona entram em Andorra ; Malta e Gibraltar... ou pensam que eles andam a dormir...

Saber mais e Alertas
pub