União Europeia Catalunha: MNE português quer solução no quadro da Constituição e leis espanholas

Catalunha: MNE português quer solução no quadro da Constituição e leis espanholas

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse hoje que uma solução para o futuro da Catalunha deve ser encontrada no quadro da Constituição e das leis de Espanha, enquanto "assunto dos espanhóis e das instituições espanholas".
Catalunha: MNE português quer solução no quadro da Constituição e leis espanholas
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 09 de outubro de 2017 às 19:22
Para Augusto Santos Silva, as instituições de Espanha "saberão encontrar a melhor solução" e ultrapassar "eventuais diferendos e sobretudo progredir na senda do progresso".

"Enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros, eu não sou parte em discussões que dizem respeito a Espanha", sublinhou, em declarações aos jornalistas, em Coimbra.

Augusto Santos Silva realçou que a União Europeia, tal como Portugal, acompanha "com toda a atenção" os desenvolvimentos da situação política na Catalunha.

Além de estado vizinho de Portugal, "Espanha é o nosso interlocutor político há muitos séculos e é também o nosso principal parceiro económico", adiantou, fazendo votos para que "a Constituição e a lei espanhola sejam respeitadas por todos".

"Confio que as instituições relevantes saibam envolver-se num diálogo político responsável, para que esta página possa ser virada", num sentido que "compete aos espanhóis escolherem", afirmou Augusto Santos Silva.

A Espanha está mergulhada numa crise desde a realização, a 1 de Outubro, de um referendo de autodeterminação, proibido pela justiça e não reconhecido pelo Governo de Madrid, e em que os independentistas catalães reclamam vitória, com 90% de votos favoráveis ao 'sim' e uma taxa de participação de 43%.

O dia da votação ficou marcado pela violência policial sobre cidadãos que pretendiam votar ou assegurar a possibilidade de voto, e que, segundo as autoridades regionais, causou perto de 900 feridos.

O presidente do Governo catalão, Carles Puigdemont, admite declarar esta terça-feira a independência, no parlamento regional, caso o Governo central, liderado por Mariano Rajoy, continue a recusar uma mediação.

Este fim-de-semana, centenas de milhares de catalães saíram à rua para exigir ao líder catalão que renuncie.

A Europa segue com preocupação a evolução da crise catalã.

Face às ameaças de secessão de Catalunha, onde vive 16% da população espanhola, a chanceler alemã, Angela Merkel, reafirmou no sábado, numa conversa telefónica com o seu homólogo espanhol, o seu "apoio à unidade de Espanha".

Por seu lado, Paris advertiu que a independência da Catalunha não seria reconhecida e significaria imediatamente uma saída da região da União Europeia.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 09.10.2017

Eu nao sabia que a missao dum ministro dos negocios estrangeiros era dar palpites sobre os outros paises.Pensava antes que o papel dele era fazer o que anda o selfie a fazer(meter nojo).O lingrinhas da camara do fastio comprou muitas bicicltas(se pagou?)podia por la este manhoso a encher pneus.

Saber mais e Alertas
pub