Função Pública Catarina Martins anuncia acordo com Governo para integrar precários 

Catarina Martins anuncia acordo com Governo para integrar precários 

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) disse hoje haver um acordo com o Governo para que em 2017 os precários da administração pública comecem a ter contratos de trabalho efectivos.
Catarina Martins anuncia acordo com Governo para integrar precários 
Miguel Baltazar
Lusa 12 de Novembro de 2016 às 14:49

"Encontrámos a fórmula de um acordo de princípio para começar a integrar os precários da função pública e terem contratos de trabalho que correspondem à função que ocupam", afirmou Catarina Martins.

 

Falando aos jornalistas, em Penafiel, onde hoje visitou a Feira de S. Martinho, a dirigente do Bloco de Esquerda, acrescentou que se trata de um acordo de princípio para a integração faseada daqueles trabalhadores.

 

"O Governo tem uma postura de uma integração faseada, por causa dos custos que pode ter esta matéria, mas nós preferíamos que fosse feito de uma forma mais imediata e completa", assinalou.

 

Catarina Martins acrescentou: "Há muitos anos, em Portugal, que tudo o que temos é contratação de mais pessoas com contratos precários e há agora um acordo de princípio para transformar contratos precários em contratos efectivos. Essa é uma mudança muito significativa".

 

O Expresso tinha já noticiado a existência de um acordo de princípio entre o Governo e os partidos de esquerda que o apoiom para a entrada de precários na Função Pública. De acordo com o jornal, o Governo chegou a um "acordo de princípio" com o Bloco de Esquerda e o PCP sobre o tema, sendo que a medida vai ser incluída no Orçamento do Estado para 2017, embora não esteja ainda definido o modelo a adoptar.

A dirigente sublinhou que o BE solicitou ao Governo o levantamento que efetuou de todos os trabalhadores precários, tanto na administração pública, como no sector empresarial do Estado.

 

"Sabemos que há mais de 100.000 pessoas com contratos de trabalho precário na administração pública em Portugal. Para o Bloco de Esquerda estas pessoas têm que passar a ter contratos efetivos", insistiu.

 

A coordenadora daquele partido diz "aguardar agora que o Governo faça também o seu trabalho" e que depois apresente ao BE "uma proposta clara sobre os temos da efetivação destes contratos".

 

"É um marco muito importante e agora precisamos de o concretizar. O Bloco cá estará com a determinação de sempre para que este acordo de princípio possa ser concretizado efetivamente", frisou.

 

Questionada sobre o custo para o Estado dessa medida, respondeu que "não é assim tão significativo face àquilo que é a justiça das pessoas terem um contrato efectivo de trabalho".

 

"Quando dois trabalhadores, um com contrato efetivo e outro com contrato precário trabalham no mesmo posto, o trabalhador com contrato precário recebe menos três salários e meio por ano em média do que o trabalhador efetivo, mesmo que esteja nas mesmas funções", assinalou.




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Como esta "líder", nunca será governo e, o vizinho da China quer ser Primeiro Ministro, a todo o custo, tu vai ser possível. Quem vier a seguir que se amanhe. No entretanto, o País já atingiu o endividamento de 130% do PIB, não parando a progressão. A Pátria que se cuide, perante tanta irresponsabilidade!!!

comentários mais recentes
Aguenta boy Há 2 semanas

Ganda Catarina pá esganiça-te aí

Anónimo Há 2 semanas

Exactamente como o Guterres que a primeira medida que fez foi por 50.000 recibos verdes nos quadros...impressionante como a historia se repete, alias como os regastes.

os privados que trabalhem 45h para nos sustentar p Há 2 semanas

Ó Catarina. Pq não obrigas o Costa a dar 16 salários anuais aos F.Ps ? E já agora uma aumentozinho de 15% mês tb vinha mesmo a calhar. Não sou de pedir muito,mas já agora e para teres os FPs na mão e o seu voto,que tal 35 dias de Férias ?
Fico à espera,desde já agradeço e conta com o meu Voto.

Anónimo Há 2 semanas

SECALHAR LEMBRAM-SE:diziam os CHARLATOES por cada 2 publicos que saiam entra um,ate ao momento sairam meia duzia e com reforma antecipada(custos para o privado como usual)e duma acentada entram 70.000.A da catrina tem a proposta dela praticamente dentro,agora falta vir o canhoto com a proposta dele.

ver mais comentários
pub