Economia Catarina Martins: caso da CGD foi “mal gerido” e o dia de ontem não foi "brilhante”

Catarina Martins: caso da CGD foi “mal gerido” e o dia de ontem não foi "brilhante”

Bloco de Esquerda sai em defesa do ministro das Finanças, ao sublinhar que Centeno tem tido dados “simpáticos” sobre a economia para apresentar.
A carregar o vídeo ...
Catarina Almeida Pereira 14 de fevereiro de 2017 às 11:49

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, considerou esta terça-feira, 14 de Fevereiro, que o caso da Caixa Geral de Depósitos tem sido "mal gerido" e que o dia de ontem, marcado pela conferência de imprensa de Mário Centeno, não foi propriamente "brilhante".

À margem da visita a uma escola, em Lisboa, Catarina Martins desvalorizou as revelações feitas na conferência de imprensa – "não há nenhum facto novo" – e recusou pôr em causa as condições políticas do ministro das Finanças para continuar.

"O Bloco de Esquerda não se tem pronunciado sobre as condições dos ministros" para continuarem em funções.

"Não deixa de ser tragicamente irónico que o ministro que até tem dados do ponto de vista da economia simpáticos para apresentar se esteja a expor a explicações que não têm nenhum sentido quando isto já devia estar encerrado", acrescentou.


O ministro das Finanças deu esta segunda-feira uma conferência de imprensa onde admitiu um "erro de percepção mútuo" nas negociações com António Domingues, que exigia ser excepcionado da obrigação de apresentar a declaração de rendimentos. 

Mais tarde o primeiro-ministro reforçou a sua confiança no titular da pasta das Finanças e o Presidente da República aceitou que Mário Centeno se mantenha no cargo em nome da estabilidade financeira.

Notícia corrigida pelas 15:19. Subsituída a expressão "não houve nenhuma novidade" por "não há nenhum facto novo".




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
uma vergonha 14.02.2017

Cambada de canhotos.

Para quem era sempre moralista, agora fecham a porta.

E ainda parecem umas virgens ofendidas.

Uma vergonha.

O Dr. Costa podia bem ter evitado isto 14.02.2017

Na verdade, embora concorde e defenda incondicionalmente esta solução governativa, face à do pulha PASSOS, teremos de convir que o Dr. António Costa, com esta "cena" da CGD deu, desnecessariamenbte, o flanco e pôs-se a jeito para dar algum oxigénio a um PASSOS, que já andava totalmente moribundo.

Anónimo 14.02.2017

A culpa do desentendimento entre Centeno e o Domingues foi do tradutor, visto que os primeiros não sabiam falar bem o portugues. e cada um entendeu de maneira diferente. Uma boa ocasião para se matricularem numa escola para aprenderem portugues.

Anónimo 14.02.2017

Tratem é de mecanismos que façam com que os produtos que estão depositados nos armazéns chineses e outros paguem iva à cabeça, porque vem de países fora da Europa. DAVAM UM GRANDE CONTRIBUTO À ECONOMIA

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub