Política Catarina Martins diz que Costa deve explicação sobre longas carreiras contributivas

Catarina Martins diz que Costa deve explicação sobre longas carreiras contributivas

O BE considerou hoje que o primeiro-ministro "deve uma explicação ao país" por não ter cumprido a promessa sobre a reforma das pessoas com longas carreiras contributivas, avisando tratar-se de uma condição prévia às negociações do Orçamento do Estado.
Catarina Martins diz que Costa deve explicação sobre longas carreiras contributivas
Miguel Baltazar
Lusa 28 de julho de 2017 às 13:35

"O primeiro-ministro, que se comprometeu a ter a legislação pronta durante o mês de Julho, deve uma explicação desde logo ao país", disse Catarina Martins em conferência de imprensa aos jornalistas esta manhã na sede do BE.

 

O partido, de acordo com a líder, "já sinalizou ao Governo, há bastante tempo que é uma condição prévia às negociações do Orçamento do Estado" para 2018, alertando que o regime que permita o acesso à pensão por inteiro de quem tem 60 anos e começou a trabalhar criança" deve estar pronto "bem antes" do Orçamento.

 

Segundo Catarina Martins "foi prometido pelo ministro do Trabalho para o ano passado e essa promessa não foi cumprida" e "o primeiro-ministro, em debate quinzenal e em debate do Estado da Nação, respondeu que teria essa legislação pronta no mês de Julho".

 

Ora, no Conselho de Ministros de quinta-feira, o último do mês de Julho, o tema não esteve em cima da mesa, nem a legislação em causa foi aprovada.

 

"Cada dia que passa e cada dia que uma promessa não é cumprida é um dia triste porque se negam direitos às pessoas e é um dia perigoso porque se descredibiliza a actuação política. Para o BE é essencial que este dossier esteja pronto o mais rapidamente possível", criticou.

 

Questionada sobre as implicações nas negociações do próximo Orçamento do Estado, a líder bloquista foi peremptória: "temos algumas condições prévias ao Orçamento do Estado, matérias que estão atrasadas e que devem estar resolvidas antes do Orçamento do Estado. Esta é seguramente uma dessas matérias".

 

Catarina Martins reiterou ainda que "o próximo Orçamento do Estado terá que incluir o descongelamento de carreiras, como consta das posições conjuntas" assinadas entre o BE e o PS.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tentando Perceber 31.07.2017

Vale-se da fragilidade do Passos, de outra forma, ela, a Cristas, o Passos, caíam a pique, terminava a notariedade,era suficiente descomplexar de ser Oposição e abrir-se ao Costa, caía a passadeira das vaidades.

Anónimo 28.07.2017

A culpa é do Vesgo da Silva (digo, Vieira da Silva). É uma vergonha que alguém com 40 anos de descontos não tenha direito à reforma. As pensões de reforma deviam ser atribuídas em função do tempo de descontos (Carreira Contributiva)

pub