Política Catarina Martins diz que estabilidade política em Portugal mede-se pelo cumprimento dos compromissos

Catarina Martins diz que estabilidade política em Portugal mede-se pelo cumprimento dos compromissos

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse hoje que a estabilidade política em Portugal mede-se pelo cumprimento dos compromissos e pela ideia de que a política traz soluções às pessoas em vez de lhes criar problemas.
Catarina Martins diz que estabilidade política em Portugal mede-se pelo cumprimento dos compromissos
Miguel Baltazar
Lusa 30 de julho de 2017 às 17:34
"Enquanto no quadro parlamentar cumprirmos todos a nossa parte, e o BE cumpre, para que todos os dias tenhamos soluções para as pessoas e não criar novos problemas, digamos que a estabilidade parlamentar está também assegurada", enfatizou a líder bloquista.

A líder bloquista comentava no concelho de Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra, a entrevista do Presidente da República ao Diário de Notícias, em que afirma que "os partidos da área do governo têm de decidir, a cada momento, se querem durar ou não até ao fim da legislatura"

Catarina Martins, que esta manhã se deslocou ao parque de campismo de São Gião, onde decorre o acampamento de verão do BE "Liberdade 2017", considera que actualmente se vive com estabilidade "porque as pessoas sabem que a maioria que existe e as posições conjuntas acordadas são para resolver problemas das pessoas".

"Há estabilidade quando a política resolve problemas das pessoas em vez de criar problemas novos e, durante quatro anos, de maioria absoluta PSD/CDS-PP com a 'troika', vivemos com enorme instabilidade política porque as pessoas todos os dias tinham problemas novos", frisou.

No entanto, a coordenadora do BE salientou que há divergências com o Governo em algumas matérias, em que é necessário dar passos, e que existem determinados compromissos "que estão a demorar mais tempo do que deveria acontecer para serem assumidos".

Sobre a negociação do próximo Orçamento de Estado, Catarina Martins disse que existem "dificuldades, que não significam instabilidade, mas que significam que é preciso partir muita pedra para chegarmos às melhores soluções em caminhos que os partidos têm algumas divergências".

"Se formos fazendo este caminho de criarmos soluções, de recuperarmos rendimentos de trabalho e das pensões, recuperar direitos de quem trabalha e, também muito importante, se fortalecermos os serviços públicos e a capacidade do Estado responder às populações, temos condições para fazer o caminho que temos pela frente", sublinhou.

A líder bloquista participou na manhã de hoje no painel "Para quê um partido?", inserido no programa do acampamento "Liberdade 2017", que teve início quarta-feira e termina hoje, no qual participaram cerca de 200 jovens.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tentando Perceber 31.07.2017

A senhora vale-se de Passos Coelho ser 1 anedota, n saber ser oposição, bastava q fosse 1 pouquinho mais aberto a Costa,se mentalizar q estava na Oposição esta mulher caía na Vertical,e o país progredia, ela ia fazer exigências para outro lado, mas infelizmente o líder é Este, pronto.

Costa 30.07.2017

Conversa de boneca loira! E como é que se resolvem os problemas das pessoas? Fazendo mais dívida? aumentando o défice a ponto de comprometer entrada de fundo europeus? Com essas falinhas mansas o que ela quer é um pretexto para armar enredo com a Europa que é o desejo dos trotskistas como o grande chefe Louçã.

oluapaxe 30.07.2017

Ó Catarina então agora o devorar loucamente sapos tem o nome te estabilidade política? A única coisa estável é a demagogia, a hipocrisia, a mentira. A dívida está estável? O estado dos hospitais está estável? À educação está estável? A área ardida está estavel? À proteção cívil está estavel? Os quartéis estão estáveis? Não Catarina está tudo segurado por arames reza para que o banco central europeu não pare às rotativas.

Cumprimento dos compromissos?! 30.07.2017

O Passos era mau porque ia fazer 600 milhões em cortes!...
E a fulana esganiçava dia e noite nas TVs.
O governo da catarina faz 1000 milhões de cortes manhosos, vulgo cativações... É o quê? E não diz nada? ... Que hipocrisia!
A fulana de engolir tantos sapos ficou chalada da pinha...

ver mais comentários
pub