Política Catarina Martins: "Está na hora" de Governo cumprir "promessas básicas" com trabalhadores

Catarina Martins: "Está na hora" de Governo cumprir "promessas básicas" com trabalhadores

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, defendeu hoje que "está na hora" de o Governo cumprir as suas "promessas básicas de defesa dos trabalhadores", compreendendo a necessidade de a CGTP-IN realizar uma manifestação.
Catarina Martins: "Está na hora" de Governo cumprir "promessas básicas" com trabalhadores
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 03 de junho de 2017 às 17:10

"Nós achamos que está na hora de o Governo cumprir aquilo que são as suas promessas básicas de defesa dos trabalhadores. Compreendemos bem que a CGTP sinta a necessidade de sinalizar este momento e, nós, pela nossa parte, fazemo-lo também no parlamento", defendeu Catarina Martins aos jornalistas, durante a manifestação convocada pela CGTP, em Lisboa.

 

A CGTP convocou para hoje duas manifestações, em Lisboa e no Porto, para exigir ao Governo que valorize o trabalho, desde logo com melhorias de salários e revogação da legislação laboral aprovada durante o resgate financeiro.

 

"No programa do Governo está a limitação dos contratos a prazo e está menos flexibilização horária, ou seja, o fim do banco de horas individual", afirmou a coordenadora bloquista, defendendo igualmente o reforço da contratação coletiva.

 

Catarina Martins sublinhou que o BE anunciou hoje no encerramento das suas jornadas parlamentares, no Algarve, que serão debatidos no dia 07 de junho na Assembleia da República dois projetos de lei para o Governo "cumprir os seus compromissos" em matéria de direitos laborais.

 

A coordenadora do BE sublinhou que "a contratação coletiva abrangia antes do início da crise mais de dois milhões de trabalhadores, agora são só 200 mil".

 

"Quando as pessoas percebem que o seu salário fica parado, que não é valorizada a sua profissão, a sua carreira, os anos de serviço que têm, é porque não há contratação coletiva. Portanto, não há evolução salarial, não há negociação das condições de trabalho em cada empresa, em cada setor, que é o que melhor serve a economia, a produtividade do país e as condições dos trabalhadores", declarou.

 

"O BE já o propôs, continuará a trabalhar sobre essa matéria", acrescentou.

 

Catarina Martins não quis comentar eventuais futuras formas de luta, como o recurso à greve geral, sublinhando que o "BE não deve ter participação sobre o que é o trabalho e a liberdade dos sindicatos.

"Não devem ser os partidos a pronunciar-se", disse, perante a insistência dos jornalistas.

 




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.06.2017

Esta cabecita tonta mais o camarada Arménio andam a ver se dão cabo disto antes que o Costa consiga maioria absoluta. Tristezas.

comentários mais recentes
Anónimo 04.06.2017

Party like it's 2007.

Tenham calma. A rapariga fala para não estar calad 04.06.2017

apenas para o BE. Tem que fazer o seu papel (em politica é assim) . Como inteligente que é, sabe perfeitamente (ela e outros) que à limites inultrapassáveis dos quais o governo não abdica, dê lá por onde der. Este governo mostra que consegue fazer aquilo que o anterior desprezava, justiça social

Camaradaverao75 04.06.2017

Basta de conversas, os FP querem a devolução do salário "roubado " desde o governo de Sócrates.

Anónimo 04.06.2017

Desde que os seus trabalhadores sindicais que representam estejam bem de vida não se importa com mais nada

ver mais comentários
pub