Política Catarina Martins: "Não pode estar à frente de um banco público quem não cumprir regras de transparência"

Catarina Martins: "Não pode estar à frente de um banco público quem não cumprir regras de transparência"

A líder do BE voltou a criticar o facto de António Domingues não entregar a declaração de rendimentos. "Não há razão nenhuma para quem administra o banco público ter menos obrigações de transparência", diz.
Catarina Martins: "Não pode estar à frente de um banco público quem não cumprir regras de transparência"
Correio da Manhã
Sara Antunes 28 de Outubro de 2016 às 18:09

"Não é quem dirige" o banco público que decide o que se entrega ou não. "É o Estado que determina as condições para quem dirige um banco público", salientou Catarina Martins, em declarações transmitidas pelas estações de televisão.

 

"Não pode estar à frente de um banco público quem não quiser cumprir regras de transparência", sublinhou a mesma responsável, referindo-se assim à polémica sobre a entrega da declaração de rendimentos de António Domingues e dos restantes administradores da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

 

"Não há razão nenhuma para quem administra o banco público ter menos obrigações de transparência que um titular de cargos políticos", acrescentou.

 

Catarina Martins reiterou que o Bloco de Esquerda considera injustificado o rendimento que António Domingues aufere à frente do banco público. "Pagar salários milionários e dar todo o privilégio aos banqueiros não garantiu boa gestão de nenhum", acrescentou, citada pela Lusa.

As declarações de Catarina Martins foram proferidas depois de ter sido noticiado que o presidente da Caixa tem um parecer jurídico a sustentar a não apresentação da declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional. Domingues entregou declaração de incompatibilidades na Inspecção-Geral de Finanças.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SOUDAQUI Há 1 semana

Não tem problema. P Cento e o Costa sabem tudo.
Mas eu digo o meu banco e o meu gestor de conta tambem sabem das minhas finanças mas mesmo assim o Centeno, o Costa, A Catarina e seus apaniguados queriam saber ded todos os portugueses que tivessem umas migalhas juntas.

comentários mais recentes
JCG Há 1 semana

Ao anónimo que fala de currículo. Pelos vistos o BCE acha que nenhum do gangue Domingos tem currículo, por isso mandou-os a todos estudar. Mas esquecendo o BCE. Você connhece o currículo do Domingos? Já tinha ouvido falar nesse fulano? Afinal nunca passou de um subalterno, moço de Ulrich e Silva.

Mituxa Mize Há 1 semana

Concordo.Quem nao deve nao teme.

Anónimo Há 1 semana

É evidente que estas posições são um ataque indireto á EU e BCE , o cargo tem q ter aval curricular do BCE.Quem no bloco preencheria os requesitos?É uma interpretação da lei á medida o q torna os políticos cada vez menos credíveis.Gincana no terreno para esconder os insucessos e praticas impopulares

JCG Há 1 semana

Cara, está a ser levada. Já não fala no montante inaceitável do salário porque se distrai com os papéis. Mais uma vez: foque-se na questão do LEQUE SALARIAL. O salário mais alto não deve exceder um múltiplo entre 15 e 20 do salário mais baixo pago na empresa. Se exceder, penalizar em IRC e TSU.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub