Economia Catarina Martins: Portugal “não precisa de pancadinhas nas costas” das agências de “rating”

Catarina Martins: Portugal “não precisa de pancadinhas nas costas” das agências de “rating”

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse este sábado que Portugal "não precisa de pancadinhas nas costas" das instituições europeias e das agências de “rating', mas de aproveitar o bom momento para lançar outra estratégia económica.
Catarina Martins: Portugal “não precisa de pancadinhas nas costas” das agências de “rating”
Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda.
Correio da Manhã
Lusa 16 de dezembro de 2017 às 13:22

Ao intervir na manhã deste sábado, 16 de Dezembro, em Tondela, no Encontro do Interior, a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) considerou Portugal "não precisa de pancadinhas nas costas" das instituições europeias e das agências de "rating', mas de aproveitar o bom momento para lançar outra estratégia económica.

 

"O ano de 2017 teve o pior, mas também teve bons indicadores e boas notícias para o país", disse Catarina Martins.

 

"O enorme erro será se olhar para a tragédia nos impedir de ver as oportunidades económicas que temos de fazer melhor. O erro será também de algum deslumbramento com os dados económicos não nos permitir ver a enorme tragédia que assolou o país ou os enormes problemas pela falta de um investimento público e de um modelo de desenvolvimento que chegue a todo o país e que não continue a abandonar o interior", alertou.

 

Na sua opinião, "seria um dano irreparável se os bons dados da economia não servissem para responder a quem está mais fragilizado e não servissem para lançar outra estratégia económica".

 

"Não há nenhum momento como este para que Portugal se afirme no quadro europeu e do ponto de vista nacional como um país que é capaz de virar as costas às políticas de austeridade, exigir a reestruturação da dívida pública e ter investimento público capaz do emprego, do ordenamento do território, de construir uma paisagem mais segura e um país mais igual. Este é o momento de o fazer", realçou.

 

Segundo Catarina Martins, Portugal precisa de aproveitar o momento económico que está a viver "para libertar os recursos essenciais ao investimento público e para, no momento em que a Europa está absolutamente desorientada, lutar por resgatar a sua soberania" e livrar-se "de um peso excessivo da dívida pública".

 

A coordenadora do BE lembrou que se estão a assinalar "seis meses da terrível tragédia de Pedrógão Grande", que se repetiu depois em Outubro, em Tondela e noutros concelhos vizinhos.

 

"Não basta dizer que se falhou, é preciso ter a coragem de assumir outros modelos de desenvolvimento e outras políticas para o território", afirmou.

 

No seu entender há, "nas imagens terríveis da tragédia, o sentir de uma política profundamente errada", porque "o país que ardeu é também o país abandonado" e "os que sofreram nos incêndios são os que têm sofrido o abandono e continuam a sofrer esse abandono".

 

Por isso, disse Catarina Martins, "para lá do apoio imediato, da solidariedade e do carinho que todo o país deve ter com quem sofreu tanto, tem de existir o assumir de responsabilidades, de uma política que combata a desertificação do território, que crie emprego e que lance uma estratégia económica de futuro no país".

 

"Seis meses depois de Pedrógão, e quando os indicadores da economia provam que a austeridade foi um erro e a alternativa é possível, este é o momento para uma estratégia diferente", frisou.




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Jovens despedidos de Portugal sem indemnização e a pagarem taxa aeroportuária. E esta traidora que antes chorava nos aeroportos! agora está conivente.

Anónimo Há 3 dias

Esta traidora do povo tem todas as condições para substituir a Doutora paula na Raríssimas!

Aterra ! Há 4 dias

Cria juizinho, jovem, que tens já idade para isso.
Talvez com algum caviar isso passe e passes a ser menos idílica.

Anónimo Há 4 dias

EMPRÉSTIMO OFERECER ENTRE PARTICULAR SÉRIO E FIÁVEL: o Whatsapp: +40751895972

Você precisa de financiamento para a sua casa, para o seu negócio, para a compra de carro, para a aquisição de motocicletas, para a criação de sua limpeza de empresa, para as suas necessidades pessoais mais em dúvida. Eu conceder créditos pessoais que variam de 5.000 € para 5.000.000€ com uma taxa de juro nominal de 3%, independentemente da quantidade. Por favor, especificar em sua pedidos de empréstimo a quantia exata que você gostaria e a duração do reembolso.
Para mais um exemplo em contato conosco este endereço de e-mail : bautzanne072@gmail.com

ver mais comentários
pub