Finanças Públicas Cativações recorde de Centeno valem 1,5% da despesa

Cativações recorde de Centeno valem 1,5% da despesa

A UTAO analisou as cativações desde 2009, incluindo as justificações, os montantes iniciais e os efectivos. Centeno surge como o campeão das cativações que, ainda assim, representaram apenas 1,5% da despesa total.
Cativações recorde de Centeno valem 1,5% da despesa
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Peres Jorge 03 de agosto de 2017 às 19:15
Mário Centeno e João Leão, o seu secretário de Estado do Orçamento, apostaram nas cativações como forma de controlarem a despesa e reduzirem o risco de falharem a meta de défice. Todos os antecessores usaram a receita, mas a actual equipa das Finanças destaca-se ao ter congelado 942 milhões de euros em 2016, uma opção que gerou polémica tanto à direita como à esquerda. Uma análise da UTAO, incluída na sua análise de Junho à execução orçamental, mostra que este foi o maior valor desde pelo menos 2009, mas também que estes cativos representaram 1,5% da despesa do ano, ficando próximo dos 1,4% cativados em 2010 por Teixeira dos Santos.

"No ano 2016 verificou-se a percentagem mais elevada de dotação orçamental cativada no total da despesa efectiva consolidada da administração central (2,7%)", lê-se na nota da UTAO, referindo-se aos 1.746 milhões de euros de cativos iniciais em várias rubricas. Deste montante, ficaram efectivamente por gastar 942 milhões de euros, o que corresponde a 1,5% da despesa. O segundo ano com mais cativações foi o de 2010: 1.377,3 milhões de euros iniciais (2,4% da despesa), dos quais não foram gastos 822 milhões (1,4% da despesa).

A análise da UTAO mostra também que o actual ministro foi dos mais criativos a desenhar mecanismos de cativação: em 2016, no orçamento, previu uma reserva orçamental, 12,5% das despesas de projectos relativos a financiamento nacional e 15% da aquisição de bens e serviços com financiamento nacional, a que juntou, como inovação, a cativação da parte da despesa com aquisições de bens e serviços que exceda o crescimento de 2% entre 2015 e 2016, e ainda uma cativação de parte de despesas com pessoal

"De referir que para além dos cativos determinados pela Lei do OE/2016, o Decreto-Lei de Execução Orçamental determinou a cativação de dotação orçamental de despesas com pessoal", escreve a UTAO que nota que a prática se repete, com adaptações este ano "o Decreto-Lei de Execução Orçamental para 2017 também determinou a cativação de dotação orçamental para além da Lei do OE/2017, nomeadamente ao nível de despesas com pessoal, outras despesas correntes, transferências para fora das administrações públicas e aquisição de alguns bens e serviços".



A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.08.2017

Todos os que têm o azar de ter que usar serviços estatais sabem perfeitamente que está tudo a rebentar pelas costuras, com os aumentos e reposições que fizeram aos FPs falta dinheiro para tudo o resto, até papel higiénico já falta. Os sindicatos não falam desta vergonha por duas razões, porque os FPs já tiveram o que queriam e porque o PCP manda que não se fale. Vivemos num país de faz de conta. Este governo tem as mãos manchadas de sangue de 64 (provavelmente mais) vitimas.

comentários mais recentes
ahah 04.08.2017

Os Pertinazes e quejandos pafistas cujo governo destruiu em 4 anos a economia, mandou 600 mil jovens embora, não subiu o salario mínimo porque a economia perdia competitividade (?), continuam ceguinhos ao não ver a realidade atual, criticam agora a redução défice. pf. sejam coerentes.

A DIREITRALHA ANTES QUERIA MENOS ESTADO! 04.08.2017

Como a direitralha aziada escoiceia! Estrebucha! E so azia!
O chefe Cuelho no desgov PPd/Cds CORTOU em TUDO de pensoes e ordenados dos pobres aos servicos essencias.Mesmo assim REBENTOU com TODOS os OE e com o DEFICIT. ESCONDEU a DIVIDA dos BANCOS.
O Centeno REPOS tudo;emprego,economia,confianca !

DoMarão 04.08.2017

O Centino no seu melhor, ou seja, o Centino e o milagre económico...

Mr.Tuga 04.08.2017

Ná!!!!!!!!!!!!!!
Os xuxas geringonços esquerdalhos não aumentam impostos nem fazem cativações!
O "milagre económico da multiplicação de guita que não existe"!
Deixem o petróleo e as taxas de juro subir para valores pré-crise que vão ver o quanto necessitam de vaselina!

ver mais comentários
pub