Conjuntura Católica: PIB cresce em 2017 ao ritmo mais forte em 10 anos

Católica: PIB cresce em 2017 ao ritmo mais forte em 10 anos

As estimativas da Católica apontam para que o PIB cresça 2,7% no primeiro trimestre e 2,4% no conjunto do ano, o que representa as taxas de crescimento mais elevadas desde 2007.
Católica: PIB cresce em 2017 ao ritmo mais forte em 10 anos
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 12 de abril de 2017 às 14:07

A economia portuguesa deverá crescer 2,4% este ano e 1,9% em 2018, de acordo com as novas previsões da Católica, que representam uma forte revisão em alta das estimativas anteriores.

 

"A economia portuguesa parece estar a atravessar, inequivocamente, uma fase de recuperação cíclica desde o primeiro trimestre de 2013, embora de menor fulgor face outras recuperações no passado" refere a Folha Trimestral de Conjuntura do Católica-Lisbon Forecasting Lab (NECEP).

 

A nova previsão para o crescimento do PIB este ano compara com a anterior estimativa de 1,7% e coloca a Católica com a estimativa mais optimista entre todas as instituições que analisam a economia portuguesa. Inclusive mais do que o Governo português, que sinalizou recentemente que deverá rever a sua previsão para valores em redor de 2% este ano. No mês passado o Banco de Portugal reviu em alta a sua projecção para o PIB deste ano para 1,8% e o Conselho de Finanças Públicas melhorou para 1,7%.

 

A confirmar-se este crescimento de 2,4% este ano, a economia portuguesa conseguirá a expansão anual mais forte desde 2007, exercício em que o PIB cresceu 2,5%.

 

Esta previsão do NECEP tem por base também um forte arranque de ano, já que a estimativa hoje divulgada aponta para que o PIB cresça 0,9% no primeiro trimestre face aos três meses anteriores e 2,7% contra o período homólogo.

 

"Este crescimento trimestral do produto reflecte aquela que parece ser a melhoria da situação económica, nomeadamente, em termos de recuperação do investimento e do rendimento disponível, que cresceu 2,8% no ano passado em termos reais", assinala a folha do NECEP, acrescentando que "caso se materialize a estimativa ora avançada pelo NECEP, tratar-se-á do crescimento homólogo mais expressivo desde o quarto trimestre de 2007".

   

 

Economia abranda em 2018 e 2019

 

A Católica avança com várias explicações para a previsão de recuperação forte da economia portuguesa este ano, destacando "o bom desempenho da economia portuguesa" na segunda metade do ano passado, mas também "os efeitos desfasados da política orçamental de 2016 e o desempenho fraco da economia no primeiro semestre" do ano passado, "que favorece, através do efeito de base, o crescimento em 2017".

 

Ainda sobre a sua estimativa para o conjunto de 2017, o NECEP assinala que a recuperação da economia portuguesa está a ter menos fulgor do que o registado no passado devido às "restrições financeiras" que pesam sobre o investimento. E assinala que "apesar do forte crescimento" do investimento no quarto trimestre (+5,3% em cadeia), esta componente "está ainda cerca de 25% abaixo dos níveis observados em 2010, pelo que será necessário observar uma série longa de crescimentos robustos para confiar na solidez da recuperação em curso".

 

Para 2018 o NECEP tem uma previsão menos optimista, apesar de também ter sido revista em alta de meio ponto percentual. A nova previsão aponta para um crescimento de 1,9% nesse exercício, uma desaceleração explicada pela "dissipação dos efeitos pontuais que beneficiam o corrente ano".

 

Para 2019 é estimado um novo abrandamento, com o NECEP a projectar uma taxa de crescimento do PIB de 1,6% "fruto de perspectivas mais favoráveis sobre o crescimento potencial da economia portuguesa e sobre a envolvente externa".

 

O NECEP alerta que "estas projecções estão rodeadas de uma enorme incerteza provocada, sobretudo, pela dimensão dos desequilíbrios financeiros do Estado e das necessidades de capital no sector financeiro já este ano e nos próximos, para além da validação da recuperação do investimento".

 

Défice de 2017 acima das projecções do Governo

 

Se nas estimativas para a evolução do PIB a Católica está até mais optimista do que o Governo, nas contas públicas verifica-se o inverso.

 

Os cálculos do NECEP, tendo em conta a nova informação sobre as finanças públicas de 2016, disponibilizada no âmbito do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE), apontam para um défice de 2,4% do PIB este ano, "logo claramente acima do ambicioso objectivo orçamental de 1,6%".

 

"Acresce que este ano trará operações extraordinárias no sector financeiro que aumentarão a dívida pública mesmo que não venham a ter impacto contabilístico no défice corrente das Administrações Públicas", acrescenta.

 

O INE reviu hoje em baixa o valor do défice de 2016 para 2%, o que representa o valor mais baixo da democracia portuguesa.

 

Ainda na frente das finanças públicas, a Católica alerta que, na frente externa são vários os factores (Brexit e estabilidade oriunda da governação dos EUA) que poderão "contribuir para aumentar os custos anuais da dívida pública portuguesa a médio prazo".




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.04.2017

Numa altura em que a maioria do tipo de empregos prevalecentes na economia portuguesa estão prestes a ser amplamente automatizados por via das inovadoras soluções, extremamente económicas e eficientes, já disponíveis no mercado global, é forçoso saber alertar para mais este erro de estratégia e planeamento que é querer garantir a fantasia verdadeiramente lunática das carreiras e empregos intocáveis e para toda vida, e ao mesmo tempo decretar múltiplos aumentos salariais. É que se elevassem um pouco os salários por via legislativa e regulatória, mas deixassem despedir excedentários num mercado laboral flexível no sector público e privado, tudo bem. A automação levada a cabo num racional e oportuno processo de substituição de factor produtivo trabalho por factor produtivo capital, dar-se-ia, elevando assim todos os mais cruciais padrões e indicadores económicos da economia portuguesa. Mas impedir o despedimento é condenar mais uma vez a economia portuguesa ao empobrecimento e fracasso.

comentários mais recentes
Anónimo 13.04.2017

Católica: PIB cresce em 2017 ao ritmo mais forte em 10 anos
FOI O DR CESAR DAS NEVE QUE DISSE ISTO?
HUM..

Fantastico 12.04.2017

Reparem naqueles sorrisos sólidos

semcrer 12.04.2017

É incrível a manipulação de votos que por aqui anda...

Estranho o pertinaz não ter ainda comentado ;)

Anónimo 12.04.2017


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

ver mais comentários
pub