Mundo Cavaco defende que integração da Guiné Equatorial na CPLP vai melhorar direitos humanos

Cavaco defende que integração da Guiné Equatorial na CPLP vai melhorar direitos humanos

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, defendeu esta quarta-feira que a integração da Guiné Equatorial na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) "é a melhor forma de contribuir" para o respeito pelos direitos humanos naquele país.
Cavaco defende que integração da Guiné Equatorial na CPLP vai melhorar direitos humanos
Reuters
Lusa 23 de julho de 2014 às 14:13

Questionado sobre o que o levou a aceitar esta adesão, o Presidente da República respondeu: "A lógica isolacionista de um Estado nunca conduziu ao aprofundamento da democracia nem à melhoria do respeito pelos direitos humanos, e por isso penso que o acolhimento da Guiné Equatorial, depois de a CPLP em várias missões de observação ter reportado avanços na aplicação do roteiro de adesão, é a melhor forma de contribuir por parte de todos os Estados membros para a melhoria do respeito pelos direitos humanos naquele país e para a criação de instituições verdadeiramente democráticas".

 

Em conferência de imprensa, no final da X Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Díli, Timor-Leste, o Presidente da República argumentou também que "Portugal, sendo o antigo poder colonial, terá sempre muita dificuldade em isolar-se face à vontade de todos os outros Estados membros" desta organização.

 

"O que tem de fazer é defender as suas posições de forma a que os outros também se aproximem daquilo que Portugal defende - e eu penso que foi isso que também foi sendo feito, e com algum sucesso", sustentou, assinalando que na declaração final desta Cimeira "foi acrescentado o caminho para a abolição da pena de morte" na Guiné Equatorial.

 

Cavaco Silva apontou a Coreia do Norte como exemplo de que "o isolacionismo nunca conduziu à democracia e ao respeito pelos direitos humanos".

 

Por outro lado, manifestou-se "certo de que Timor-Leste irá fazer o acompanhamento, a monitorização daquilo que foi decidido aqui na Cimeira de Díli".

 

Na sua intervenção inicial nesta conferência de imprensa, o Presidente da República já tinha alegado que "a experiência mostra que a inclusão de um Estado é a melhor forma de defender os direitos das pessoas", e não a sua "segregação".

 

Cavaco Silva lembrou as etapas processo que conduziu à adesão da Guiné Equatorial à CPLP e alegou que "o contributo de Portugal foi decisivo para os avanços registados na implementação do roteiro de adesão, como é o caso da moratória sobre a pena de morte".

 

O Presidente da República disse ainda que "a CPLP é uma comunidade onde o multilateralismo deve imperar", que "a adesão da Guiné Equatorial é feita com base num pressuposto de inclusividade e de integração" e que isso "não pode significar a descaracterização da CPLP".

 

"Portugal deixou de forma muito clara, tal como tinha deixado ao longo do tempo, a

A adesão da Guiné Equatorial é feita com base num pressuposto de inclusividade e de integração
 
Cavaco Silva

necessidade de a Guiné Equatorial continuar a fazer esforços para a implementação plena do programa de adesão e das obrigações estatutárias da CPLP em matéria de democracia, de Estado de direito e de direitos humanos. As conclusões dizem precisamente isso", acrescentou.

 

A este propósito, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que "a CPLP não é nem nunca foi uma organização estática" e mencionou o caso da Guiné-Bissau como demonstração de que a inserção na CPLP "tem constituído uma garantia acrescida para a ordem constitucional e para a defesa dos direitos das pessoas".




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Z54 23.07.2014

Se tivessem um pingo de dignidade, não tinham saído de casa! A Guiné Equatorial está-se borrifando para vocês todos e para a língua portuguesa... que nem sequer está a usar. Deles [governantes dessa Guiné], não se esperaria outra coisa, agora, do mais alto magistrado da Nação, com mais de 8 séculos de história, esperar-se-ia que soubesse honrar e defender a língua de Camões... Mas, se até esse morreu à míngua, o que mais se pode esperar de quem lidera os destinos da Pátria? É mais um capítulo para encher os Roteiros!

comentários mais recentes
gatunos 24.07.2014

Agora com a entrada na CPLP os direitos humanos vão aumentar na Guiné Equatorial portanto as famílias finalmente terão direito a assistir aos fuzilamento dos seus familiares mas os advogados continuam a ser proibido de dar assistência ao condenado.
Tenho nojo deste país de mierda que fez o 25 de abril para destruir Portugal e fazer alianças com ditaduras sanguinarias mil vezes pior que a ditadura de Salazar.

Anónimo 24.07.2014

Mais parece um cartel de corruptos e de ditadores do que outra coisa. Ficam todos muito bem na fotografia. Pobre Portugal,quem te viu e quem te vê!

Anónimo 23.07.2014

Para que serve a CPLP? Quais são afinal os seus reais propósitos? O que é que Portugal ganhou efectivamente até agora com a sua criação? Quanto custa todos os anos aos contribuintes portugueses o facto do país ser membro dessa organização? Se é assim tão importante a sua existência porque razão os presidentes de Angola e do Brasil estão-se borrifar para a CPLP pois nem sequer se deslocaram a Timor? E porque razão Portugal teve de mandar o PR e o PM em simultâneo? Será que não há trabalho político para fazer em Portugal? Era preciso esbanjar dinheiro público com mais uma mega-comitiva? Quanto à entrada da Guiné Equatorial, Portugal mostrou ao mundo civilizado o país em que se tornou. É caso para dizer: "diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és"

Anónimo 23.07.2014

Portugal dá nojo com líderes destes. Nojo!

ver mais comentários
pub