Economia Cavaco Silva: "Não é combatendo-nos uns aos outros que vamos combater a crise"

Cavaco Silva: "Não é combatendo-nos uns aos outros que vamos combater a crise"

Presidente da República voltou a apelar ao diálogo de concertação entre o Governo, os partidos da oposição e os parceiros sociais.
Nuno Carregueiro 25 de Abril de 2012 às 12:38
"Em momentos como este, é essencial assegurar a coesão do país. É nestas alturas que temos de nos manter unidos. Exige-se, por isso, um esforço permanente de diálogo e concertação entre o Governo, os partidos da oposição e os parceiros sociais. Este tem sido, aliás, um dos nossos principais activos", afirmou Cavaco Silva na intervenção na sessão solene do 25 de Abril, na Assembleia da República.

Assinalando que existe “espaço para pluralidade de opinião”, alertou que “não é combatendo-nos uns aos outros que vamos combater a crise”.

Uma crise que voltou a classificar de grave. "Por mais de uma vez, sublinhei a importância de falar verdade aos portugueses. Agora, a verdade dos tempos difíceis é reconhecida por todos", sublinhou, assinalando estar "plenamente consciente da situação do país, dos problemas concretos dos portugueses", sobretudo ao nível do desemprego, precariedade dos jovens no mercado de trabalho e existência de novos pobres.

“Temos que fazer um esforço colectivo para enfrentar os problemas”, disse Cavaco Silva, que dedicou grande parte do seu discurso à necessidade de melhorar a imagem de Portugal no exterior.

“Queremos que os estrangeiros saibam que o nosso melhor activo são as pessoas”, disse Cavaco Silva, destacando a “capacidade notável” dos portugueses “de adaptação às dificuldades do presente”, bem como do espírito de solidariedade “notável”.

Reiterou também que Portugal está “a cumprir de forma rigorosa de determinada” o acordo celebrado com troika, mostrando que “Portugal sabe honrar os seus compromissos”.

Finalizou o discurso com a habitual mensagem de esperança. Portugal está a passar por um “dos períodos mais complexos da sua história recente. Com o espírito do 25 de Abril, iremos vencer.






A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ze do Monte 25.04.2012

Mal afinal o que e que ate agora tem feito?
Palavras de ocasiao vindas de alguem que outra coisa nao tem feito ..mas dividir .
Mais um caso pra dizer .." faz o que eu digo..... nao o que eu(constantemente) faco..."

vitor 25.04.2012

È uma verdade. Apenas com união se conseguirá algo. Neste dia que representou o marco histórico do fim da ditadura em Portugal, encontramo-nos de novo oprimidos e roubados em todos os sentidos. Neste momento que significou no passado a união do povo, convido-os a se unirem de novo assinando e divulgando esta petição:

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=201202

Copie o link para o seu browser

cad7 25.04.2012

Como é possível juntar ou mobilizar pessoas cheias de fome com elites que apenas discursam bem mas desenvolvem acções que apenas acrescenta fome?
É um tretas

PTPT 25.04.2012

Se isto dá para o torto ficas sem os manjares do palácio!
Perdes as viagens de borla!
E ainda te deixam ficar só com uma pensão!
E ninguém te vende acções fora de bolsa a preço de saldo!
Que dizes depois disso tudo? “...não me volto a prenunciar sobre esse assunto”

pub