Segurança Social CCB quer construir hotel de cinco estrelas em Belém

CCB quer construir hotel de cinco estrelas em Belém

Em entrevista ao Público/RR o novo presidente do CCB garante que as contas estão a caminho do equilíbrio e revela que pretende lançar um concurso para a construção de um hotel de cinco estrelas.
CCB quer construir hotel de cinco estrelas em Belém
Negócios 05 de janeiro de 2017 às 09:07

O novo presidente do Centro Cultural de Belém (CCB) quer construir os dois módulos que faltam relativamente ao projecto original e ocupá-los com um novo hotel de cinco estrelas. O projecto permitirá dar mais vida à zona de Belém mas também garantir que o equipamento cultural passa a ter receitas próprias suficientes para ganhar autonomia financeira face ao Estado Central. A novidade foi avançada por Elísio Summavielle em entrevista conjunta à Rádio Renascença e ao jornal Público.

 

No cargo há menos de um ano, altura em que foi nomeado por João Soares para substituir António Lamas, Elísio Summavielle diz que passou os primeiros meses a tentar estabilizar as contas do CCB. Assim, o passivo, que "em Maio-Junho andava à volta dos 800 mil euros", desapareceu, garante.

Hoje em dia o CCB recebe do Estado 6,7 milhões de euros para programação, um valor que anda muito longe dos 10 milhões de euros por ano do passado e que é, grosso modo, absorvido para salários e despesas correntes. É, por isso, necessário, arranjar receitas alternativas. E é nesse contexto que surgem os planos para completar o projecto original e explorá-lo comercialmente.

A ideia é edificar um "hotel de prestígio, de cinco estrelas, com cerca de 160 quartos", nos módulos 4 e 5 do CCB. O projecto está já a ser negociado com a Associação Turismo de Lisboa e a câmara, e, em breve, serão encetadas conversas com o Ministério das Finanças para se definir quais os moldes certos para o lançamento do concurso público.

Com a concessão da exploração do hotel, Elísio Summavielle espera ter "condições para uma sustentabilidade grande e para sair da actual lei-quadro das fundações e dos seus constrangimentos".

Um exemplo destes constrangimentos? Quando o concessionário do restaurante saiu e a tarefa passou para o CCB, foi preciso fazer concursos para robalos e hortaliças "a um ritmo diabólico". 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 05.01.2017

A xuxaria sempre teve inveja, por ter sido o PSD a construir o CCB.

Agora já acham que é muito bom e até vão construir mais.

comentários mais recentes
Anónimo 05.01.2017


O verdadeiro crime organizado

Ladrões FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

ARMÉNIO CARLOS ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Vitória para uns, significa derrota para os outros.

As vitórias de Arménio Carlos traduzem-se sempre em mais privilégios para a FP e ...

mais impostos sobre os restantes trabalhadores, para sustentar esses privilégios.


Anónimo 05.01.2017

A xuxaria sempre teve inveja, por ter sido o PSD a construir o CCB.

Agora já acham que é muito bom e até vão construir mais.

Anónimo 05.01.2017

100% de acordo desde que não seja o estado a pagar o Hotel e o concessionário pague uma renda de brincadeira... em relação ao forte de Peniche acho preferível verem os milhões gastos por Paulo Portas no forte de Carcavelos... talvez esteja mais apto para suites...

Anónimo 05.01.2017

Também devem fazer o mesmo ao Forte de Peniche.

pub
pub
pub
pub