Finanças Públicas CDS acusa Centeno de "mascarar um conjunto de números"

CDS acusa Centeno de "mascarar um conjunto de números"

O deputado Pedro Mota Soares reage ao artigo de opinião do ministro das Finanças publicado no Jornal de Negócios. CDS considera que Centeno não transmite confiança, mas sim "enganos e propaganda".
CDS acusa Centeno de "mascarar um conjunto de números"
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 02 de janeiro de 2017 às 16:44
O deputado do CDS Pedro Mota Soares considera que o ministro das Finanças, Mário Centeno, não transmite confiança no artigo de opinião sobre perspectivas para 2017 que publicou esta segunda-feira no Jornal de Negócios. "[O ministro das Finanças] faz exactamente o contrário. E mascara um conjunto de números".

Pedro Mota Soares reagia assim ao artigo de Mário Centeno com o título "A oportunidade para crescer", onde o ministro faz um balanço dos resultados alcançados no ano passado e traça perspectivas para o ano de 2017 que agora começou.

"O Governo entra mal em 2017", diz Mota Soares, o que justifica a necessidade de "fazer o contra-factual". No artigo, Mário Centeno afirma que "no segundo semestre de 2016, a economia portuguesa está a crescer quatro vezes mais do que no mesmo período de 2015". O CDS contesta esta afirmação e contrapõe que nos primeiros três trimestres de 2016 a economia crescer 1,1% o que compara com um crescimento económico de 1,6% nos primeiros três trimestres de 2015. Isto significa que a economia "cresceu muito poucochinho", conclui.

A segunda afirmação de Centeno que Mota Soares contesta é a de que "o crescimento da economia continuará a ser compatível com uma melhoria do excedente comercial que em 2016 atingiu mais do dobro do registado em 2015". Mota Soares diz que o Governo devia olhar para a Balança de Transacções Correntes, que "está a piorar". Segundo o vogal da comissão executiva do CDS, é esperado que a balança de transacções correntes "caia de 0,4% em 2015 para 0% em 2016".

O terceiro aspecto que Mota Soares destaca é a ideia transmitida por Mário Centeno de que "o Governo tem vindo a adoptar medidas de aumento da eficiência da despesa, mantendo a provisão de serviços com menos despesa e repondo os direitos dos trabalhadores".

O deputado centrista lembra a situação nos transportes públicos - designadamente no Metro de Lisboa, onde tem havido problemas na prestação do serviço -, o caso da escola que fecha se não tiver condições mínimas de segurança e refere também a situação nos hospitais.

O artigo do ministro das Finanças é feito de "enganos e propaganda" e "devia transmitir confiança aos portugueses", conclui.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 03.01.2017

Comparar 3 trimestres de 2015 a um semestre de 2016 é uma aritmética fantástica, ou seja, para poder contrariar o Ministro, Pedro Mota Soares acrescenta mais um trimestre à análise que o Ministro fez, mas isto não é propaganda. E que tal estarem os dois calados.

Quem? 02.01.2017

Os aldrabões?

Anónimo 02.01.2017

O pertinaz saiu agora daquela casa que fica na Av. do Brasil...volta para lá e toma os medicamentos...

Não tens moral para falar 02.01.2017

Olha para o espelho e vê as trapalhadas que lá ficaram.

ver mais comentários
pub