Política CDS mantém moção de censura e diz que o Governo “poderia acabar agora”

CDS mantém moção de censura e diz que o Governo “poderia acabar agora”

A moção de censura anunciada ontem pelo CDS deverá ser ultimada amanhã numa reunião do grupo parlamentar e apresentada ainda no mesmo dia.
CDS mantém moção de censura e diz que o Governo “poderia acabar agora”
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 18 de outubro de 2017 às 12:08

O CDS vai manter a moção de censura ao Governo devido à tragédia provocada pelos incêndios, mesmo depois da demissão da ministra da Administração Interna, conhecida esta manhã.

De acordo com o deputado do CDS Telmo Correia "a moção de censura faz todo o sentido" visto que não é dirigida à agora ex-ministra Constança Urbano de Sousa, mas sim ao Governo e à sua liderança.  

A moção "não é dirigida à ex-ministra, é dirigida ao Governo e à liderança do Governo. Quando o fizemos ontem sabíamos que a demissão ia acontecer sempre", afirmou o deputado. "É um mecanismo para exigir responsabilidades a um Governo que falhou. Por outro lado, será neste hemiciclo a expressão da indignação que muitos portugueses sentem perante este falhanço óbvio do Estado", acrescentou.

Para o CDS, Constança Urbano de Sousa não pode ser o "bode expiatório" de um falhanço "tão grande e clamoroso do Governo", que não garantiu uma das suas "funções mais básicas, que é proteger as populações".

Em declarações aos jornalistas, Telmo Correia informou que o grupo parlamentar do CDS irá reunir-se amanhã de manhã para ultimar a moção, que deverá ser apresentada ainda no mesmo dia.

Questionado sobre a disponibilidade do CDS para construir consensos, após a nomeação do novo responsável pela pasta da Administração Interna, o deputado centrista garantiu que a posição do partido "não vai mudar". "O CDS não vai mudar a sua posição. Para nós, este Governo poderia acabar agora. Mas se esta moção não tiver vencimento iremos designadamente para o debate orçamental como um partido que quer fazer uma oposição construtiva, que tem propostas e iniciativas nestas e em todas as áreas", afirmou.

Sobre a demissão da ministra, Telmo Correia considerou que era "uma realidade inevitável e incontornável". No entanto, a responsabilidade não é apenas da ministra, tendo de ser assumida pelo Governo, como um colectivo, designadamente pelo primeiro-ministro António Costa.

"A responsabilidade é e tem de ser do primeiro-ministro. Não tomou as decisões que devia ter tomado, manteve em funções uma ministra que estava claramente fragilizada. A partir desse momento a responsabilidade é toda do primeiro-ministro. A saída da ministra não pode ser um bode expiatório para tudo o que correu mal, a responsabilidade é colectiva, é do Governo, que é liderado pelo primeiro-ministro", concluiu.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 dias

Perfeitamente de acordo com a moção. Não esquecer as várias moções de censura apresentadas pela oposição no governo de PPC e uma delas logo no primeiro ano de governação. Ora este caso reveste-se de especial importância porque estamos a falar de um colapso das estruturas fundamentais do Estado (incompetências, desorganização, não assumpção de responsabilidades...) com resultados catastróficos tanto ao nível material, como acima de tudo, da perda de muitas vidas humanas. Para além da questão dos roubos de armas (glocks na PSP e diverso armamento militar em Tancos).
É necessário que o parlamento se manifeste em relação á forma de governação e de forma clara. nada como a moção para sabermos o que cada partido pensa e porque viabilizam ou não esta governação.

comentários mais recentes
Quando falta a vergonha na tromba, é isto Há 3 dias

O descaramento da Miss Piggy, ex-Min. Agricultura, não tem limites.
Depois de desgovernar o país durante 4 anos e meio e de nada fazer de "ORDENAMENTO DA FLORESTA", muito pelo contrário, tendo incentivado o plantio de eucaliptos, veio agora com uma Moção de Censura, como se nada fosse com ela.

João Altamira Há 3 dias

A Cristas já pediu desculpas por assinar documentos sem ler, com a desculpa de estar de férias?
A Cristas já pediu desculpas pelos suicídios das famílias que perderam o seu dinheiro e casas devido às políticas do desgoverno de que fez parte?

Anónimo Há 3 dias

Um excelente favor que o CDS faz ao governo. Perante o inevitável chumbo o governo ganha fôlego para mais 2 anos.

Porcos feios e maus.que se servem das desgraça. Há 3 dias

Não ganham nos votos,mas querem ganhar com fogueiras do isqueiro, povo foi sábio e inteligente,a geringonça foi uma BÊNÇÃO de Deus,a direi-talha quer assaltar o poder com sangue queimado, offehores e roubos submarinos. já não enganam um povo roubado por ladrões oportunistas.

ver mais comentários
pub