Impostos CDS-PP anuncia iniciativa para eliminar adicional no imposto sobre combustíveis  

CDS-PP anuncia iniciativa para eliminar adicional no imposto sobre combustíveis  

O CDS-PP anunciou hoje uma iniciativa legislativa para eliminar o adicional de imposto sobre produtos petrolíferos (ISP), argumentou que a "neutralidade fiscal" da medida não se verifica, acusando o Governo e a maioria de esquerda de "voracidade fiscal".
CDS-PP anuncia iniciativa para eliminar adicional no imposto sobre combustíveis  
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 05 de janeiro de 2017 às 19:18

"O aumento de ISP, depois das revisões, é de 5 cêntimos na gasolina e de 4 cêntimos no gasóleo, o que quer dizer que o Governo passou da neutralidade fiscal para o saque fiscal aos contribuintes. Já nada justifica a manutenção deste aumento de impostos, a não ser a voracidade fiscal do Governo e de quem o suporta", afirmou o deputado Pedro Mota Soares.

 

O deputado e ex-ministro centrista anunciou a apresentação de "iniciativa para eliminar imediatamente este aumento de impostos", argumentando que "a neutralidade fiscal" que o Governo anunciou quando o petróleo estava num preço historicamente baixo, "já não se verifica".

 

Mota Soares ilustrou que, por cada depósito de 50 euros de gasóleo, paga-se hoje mais 11 euros do que há um ano, sete dos quais em impostos.

 

Pelo PS, o deputado Luís Testa confrontou Mota Soares com o passado, sublinhando a "desfaçatez de vir aqui quem operou maior aumento impostos desde o 25 de Abril falar em aumento de impostos".

 

"O partido dos reformados tornou-se no partido dos automobilistas ou dos automobilistas reformados ou dos reformados automobilistas", ironizou.

 

Já Heitor de Sousa, do BE, sublinhou, por seu turno, a medida de benefício ao gasóleo profissional anunciada em comissão na quarta-feira.

 

"Não diz nada sobre uma medida que tem uma importância enorme para quem exerce a actividade de transporte como actividade profissional", questionou.

 

O deputado do PCP Bruno Dias confrontou o CDS com o aumento de impostos, de valor igual, ao criticado agora durante o governo anterior, na aplicação de uma "fiscalidade pseudoverde".

 

"O mesmo Governo que foi responsável pelo maior aumento de que há memória nos preços dos transportes públicos, penalizaram milhares de pessoas", afirmou, sublinhando que esses aumentos foram de 20% e nos jovens, pensionistas e reformados de cerca de 50%.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 05.01.2017

incentiva a tua classe andar de lambreta ou ate mesmo de bicicleta.O luxo sempre custou dinheiro.Ja nem as passadeiras sao seguras para se ultrapassar uma estrada.Meu apoio aqui nao tens.

Saber mais e Alertas
pub