Política CDS-PP preocupado com novo aumento da dívida pública

CDS-PP preocupado com novo aumento da dívida pública

O CDS-PP mostrou-se hoje preocupado com o novo aumento da dívida pública, divulgado hoje pelo Banco de Portugal (BdP), criticando que o Governo não aproveite a oportunidade para a reduzir.
CDS-PP preocupado com novo aumento da dívida pública
Miguel Baltazar
Lusa 01 de setembro de 2017 às 21:19

O BdP divulgou hoje que a dívida pública na óptica de Maastricht até Julho voltou a aumentar, para 249.165 milhões de euros, quando até Junho representava 249.084 milhões de euros (ou 132,4% do PIB, também acima dos 130,5% verificados até Março, os valores mais recentes do rácio da dívida pública face ao PIB).

 

"Estes são dados preocupantes porque já temos dados correspondentes a meio ano de 2017 e a tendência deveria ser de diminuição, mas tanto em termos absolutos como em percentagem do PIB a dívida pública tem continuado infelizmente a aumentar", disse à agência Lusa a deputada do CDS-PP Cecília Meireles.

 

A deputada centrista lamentou que o Governo não esteja a aproveitar a oportunidade de, pelo menos, começar a resolver o problema da dívida pública: "Os juros historicamente baixos não ficarão assim por muito tempo, por isso é importante que o Governo faça alguma coisa para reduzir a dívida", defendeu.

 

"Temos que perceber que a dívida pública não é só um dado. Representa muita despesa que o Estado faz e que podia estar a ser canalizado para outras coisas que não os juros", afirmou Cecília Meireles.

 

Segundo explicou hoje o banco central, o aumento verificado até Julho "esta variação reflecte um aumento de Certificados do Tesouro e outros depósitos junto das administrações públicas em 600 milhões de euros e emissões líquidas negativas de títulos no mesmo montante".

 

Adicionalmente, refere, registou-se em Julho um acréscimo de empréstimos no montante 100 milhões de euros, resultante do aumento de empréstimos junto de bancos residentes, com destaque para o acordo assinado entre o Estado e o Banco Santander Totta respeitante aos contratos de derivados com empresas públicas de transportes, no montante de 2,3 mil milhões de euros.

 

Em sentido contrário, o BdP destaca o reembolso de empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI), no montante de 1,8 mil milhões de euros.

 

Os ativos em depósitos da administração central, por sua vez, diminuíram 800 milhões de euros.

 

A dívida pública líquida de depósitos da administração central registou, assim, um acréscimo de 900 milhões de euros em relação ao mês anterior, totalizando 230,3 mil milhões de euros até Julho.

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Pior do que quando Portugal foi à Bancarrota Há 3 semanas

Alerta Portugueses : o nível da dívida pública portuguesa é já mais elevado do que quando Portugal passou pela vergonha da bancarrota, no tempo do D.Carlos.O pior nisto tudo é que não são os políticos responsáveis nem a geração que os manteve no poder, que acaba por ter de "pagar as favas", é a geração seguinte.Em Portugal "as favas" significou a vinda do Salazar, um corte de 1/3 no ordenado dos funcionários públicos, a censura , o fantasma da polícia politica a bater à porta às 6 da manhã. Ainda estará na memória do Povo Português o que foram esses tempos, e só peço à Providência que a atual euforia e otimismo não seja prenúncio de tempos muito difíceis para os que nos hão-de continuar, e a quem gostaríamos de desejar um futuro em Liberdade e Honradez, melhor que aquele que os nossos Pais e Avós tiveram.

comentários mais recentes
Pior do que quando Portugal foi à bancarrota (2) Há 2 semanas

Para alguns o Problema até poderá parecer fácil de resolver: quando a dívida se tornar um dia insustentável (e não o é já porque as taxas de juro estão aos níveis mais baixos em milhares de anos) os nossos descendentes têm uma boa desculpa para a vergonhosa e inexoràvel bancarrota: não foram eles que lhe estiveram na origem não sendo portanto responsáveis pela dívida que herdaram.Aparentemente tudo certo, mas eu permito-me respeitosamente perguntar à digna classe política: podemos partir nós desta vida com a consciência em paz e sem remorsos por deixarmos a quem nos há-de continuar o fardo de pagar uma monstruosa dívida ou de arrostar com a vergonha da bancarrota, nós a quem os nossos Pais transmitiram um País praticamente sem dívida? Deixo à reflexão daqueles que por ação ou omissão levaram o País, em pouco mais de uma década, a uma situação insofismável de autêntico pesadelo, e que hoje, à mínima notícia positiva, cacarejam alegremente como galinhas que acabassem de pôr ovos?

Pior do que quando Portugal foi à Bancarrota Há 3 semanas

Alerta Portugueses : o nível da dívida pública portuguesa é já mais elevado do que quando Portugal passou pela vergonha da bancarrota, no tempo do D.Carlos.O pior nisto tudo é que não são os políticos responsáveis nem a geração que os manteve no poder, que acaba por ter de "pagar as favas", é a geração seguinte.Em Portugal "as favas" significou a vinda do Salazar, um corte de 1/3 no ordenado dos funcionários públicos, a censura , o fantasma da polícia politica a bater à porta às 6 da manhã. Ainda estará na memória do Povo Português o que foram esses tempos, e só peço à Providência que a atual euforia e otimismo não seja prenúncio de tempos muito difíceis para os que nos hão-de continuar, e a quem gostaríamos de desejar um futuro em Liberdade e Honradez, melhor que aquele que os nossos Pais e Avós tiveram.

General Ciresp Há 3 semanas

Sera q e mesmo assim.Ja la vao uns tempos em q o presidente do EUROGROEP alertou para isto e o cds encostou-se ao lado da BARRICADA.GEMIDOS ENSAIADOS valem o q valem e PARA MIM VALEM ZERO.

DJ viajante Há 3 semanas

Sobe sobe balão sobe, alguém há-de pagar mas não os socialistas.

ver mais comentários
pub