Transportes CDS propõe 20 novas estações para o Metro

CDS propõe 20 novas estações para o Metro

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, apresentou ao primeiro-ministro, no debate quinzenal, a proposta do partido para a expansão da rede do metropolitano de Lisboa, que prevê 20 novas estações.
A carregar o vídeo ...
Lusa 10 de maio de 2017 às 17:51
"Ou há rasgo, horizonte e ambição para o metro de Lisboa ou os problemas da área metropolitana não se vão resolver (... ). A nossa proposta são 20 novas estações para o metro de Lisboa e espero que possam ser estudadas, planeadas, financiadas e tratadas", declarou Assunção Cristas.

Perante o burburinho que surgiu no plenário, incluindo alguns risos nas bancadas, Assunção Cristas disse não perceber qual é o problema, dando como exemplo do avanço de grandes projectos realizados a construção da barragem de Alqueva.

Mostrando à bancada do Governo um quadro com o desenho da rede do metro que defende, Assunção Cristas sustentou que o plano de financiamento não tem de incluir apenas verbas comunitárias, devendo ser estudadas outras formas de financiamento.

Assunção Cristas considerou que plano do Governo para duas novas estações é insuficiente, defendendo uma "aposta nos transportes colectivos" e propondo "fazê-lo crescer" para Belém, Sacavém e Loures.

"É ambicioso, mas é realista, haja vontade", declarou.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, aludiu ao facto de Assunção Cristas ser candidata à presidência da Câmara de Lisboa nas autárquicas de Outubro.

"Não achei muito leal aproveitar a ausência da deputada Teresa Leal Coelho [candidata do PSD à Câmara de Lisboa] para este momento de campanha eleitoral", disse Costa.

Sobre o plano de expansão da rede de metropolitano, António Costa defendeu ser essencial que haja continuidade de execução nas infraestruturas, reiterando esperar que a proposta de investimentos que o Governo está a preparar possa ser "aprovada por uma maioria de dois terços" dos deputados, reflectindo um "amplo consenso partidário".

Quanto ao financiamento, o primeiro-ministro sublinhou que o Governo nada fará no presente mandato "que não tenha financiamento" assegurado.

Quanto aos problemas no transporte colectivo, António Costa responsabilizou Assunção Cristas, ministra no executivo anterior PSD/CDS-PP, pela deterioração da rede pública de transportes.

"100 milhões é o número de passageiros que, enquanto a senhora foi ministra, o metro e a Carris perderam na cidade de Lisboa", afirmou o primeiro-ministro.

A líder do CDS-PP levou ainda ao debate o tema do financiamento da Segurança Social, dois dias depois de o ministro da tutela, Vieira da Silva ter admitido prever, no Orçamento do Estado para 2018, outras fontes de financiamento.

A deputada perguntou a António Costa "qual é o imposto que vai aumentar", com o primeiro-ministro a referir que "não é uma emergência", mas "é útil" estudar "outros critérios" para a diversificação das fontes de financiamento.

Frisando que se prevêem acentuadas alterações no mercado laboral, António Costa defendeu que é preciso encontrar outras fontes de financiamento que não as contribuições dos trabalhadores ou "da entidade patronal em função dos contratos de trabalho".

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS Há 2 semanas

Uma má intervenção de Assunção Cristas claramente em registo de pré-campanha para as autárquicas.

comentários mais recentes
IS Há 2 semanas

Uma má intervenção de Assunção Cristas claramente em registo de pré-campanha para as autárquicas.

Anónimo Há 2 semanas

DRA CRSTAS, O MELHOR SERIAM 40 ESTAÇÕES DE METRO!

SE ESTIVESSE NO GOVERNO TERIA DECERTO OUTRO DISCURSO!

Mr.Tuga Há 2 semanas

Quem os viu e quem os ve....

Estes tambem viraram DESPESISTAS? Terao descoberto petroleo la na sede?!

Anónimo Há 2 semanas

As assimetrias entre a capital e o resto do país cada vez são maiores. E os investimentos anunciados para Lisboa não param. Está na altura de os províncianos se sublevarem não pagando mais impostos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub