Política CDS respeita decisão do PSD de não se juntar à candidatura de Cristas em Lisboa

CDS respeita decisão do PSD de não se juntar à candidatura de Cristas em Lisboa

Em causa, as declarações do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, no sábado, que garantiu que os sociais-democratas terão uma candidatura própria à Câmara de Lisboa, a qual será apresentada "na altura certa" e sem coligação com o CDS-PP.
CDS respeita decisão do PSD de não se juntar à candidatura de Cristas em Lisboa
.
Lusa 15 de janeiro de 2017 às 19:47
O vice-presidente centrista Adolfo Mesquita Nunes disse hoje que o partido "respeita a decisão do PSD de não se juntar ao CDS" na corrida à Câmara de Lisboa nas autárquicas, "mantendo ambição máxima" na candidatura de Assunção Cristas.

"O CDS respeita a decisão do PSD de não se juntar ao CDS neste projecto para a cidade de Lisboa, assim como sempre respeitou as decisões e o tempo do PSD neste processo autárquico para a cidade de Lisboa", disse hoje Adolfo Mesquita Nunes à agência Lusa.

Em causa, as declarações do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, no sábado, que garantiu que os sociais-democratas terão uma candidatura própria à Câmara de Lisboa, a qual será apresentada "na altura certa" e sem coligação com o CDS-PP.

De acordo com o dirigente centrista, "o CDS vai continuar o seu trabalho intenso da candidatura de Assunção Cristas, ouvindo a cidade - como está a fazê-lo - agregando apoios, construindo o seu programa e mantendo a ambição máxima que Assunção Cristas sempre revelou desde o congresso do CDS no ano passado".

Questionado pela agência Lusa se considerava que esta era uma oportunidade perdida para a direita em Lisboa, Adolfo Mesquita Nunes escusou-se a responder, dizendo apenas: "esse é um comentário de análise política. Neste momento, aquilo que o CDS tem para dizer é apenas que eu lhe revelei".

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, anunciou na rentrée do partido, a 10 de Setembro de 2016, que ia avançar com a candidatura à Câmara de Lisboa nas próximas eleições autárquicas.

A 22 de Dezembro de 2016, Passos Coelho não excluiu coligações com o CDS-PP para as Câmaras de Lisboa e do Porto, sem se pronunciar sobre um eventual apoio social-democrata a Assunção Cristas.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis 16.01.2017

Coitada da Cristas Ronalda ela que já sonhava ser a Presidente da maior Câmara do País. Não seria melhor candidatar-se à de Serpins? O seu perfil encaixa-se melhor na autarquia de Serpins.

Na boa 15.01.2017

Esta já disse que se perder vai para vereadora, de tacho em tacho a parasitar

Anónimo 15.01.2017

Nao tem q ser sempre como um quer.Quando a gerigonca se formou os 2 partidos psd e cds cessar a uniao entre ambos enquanto estiverem na oposicao.Em meu entender acho que o psd devia coligar-se ao cds para a camara da borga,vijo em cristas uma boa candidata para arrumar com o remelado choninha chora.

pub