Finanças Públicas Centeno: "A estratégia portuguesa tornou as finanças públicas sustentáveis"

Centeno: "A estratégia portuguesa tornou as finanças públicas sustentáveis"

O ministério das Finanças congratula-se com a decisão de saída do PDE, evidencia os bons resultados na economia, no sistema financeiro e nas contas publicas e externas, e garante que continuará a implementar reformas.
A carregar o vídeo ...
Rui Peres Jorge 16 de junho de 2017 às 12:19
A saída do PDE sinaliza que as contas públicas estão controladas, suportadas em disciplina orçamental, em mais crescimento, em medidas de reforma da banca e em alterações estruturais que estão a garantir excedentes externos. É por isso que, para Mário Centeno, "A saída do Procedimento por Défice Excessivo é um marco muito importante para Portugal", já que "demonstra que a estratégia portuguesa tornou as finanças públicas sustentáveis, mantendo as despesas sob controlo, apoiando em simultâneo o crescimento inclusivo", sme gerar desequilíbrios externos.

Numa declaração do ministro enviada às redacções, Centeno sublinha que "a decisão surge na sequência da aceleração do crescimento, que está agora acima da média da UE; de uma forte redução do desemprego, hoje abaixo dos 10%; e de uma abordagem metódica para corrigir os problemas do sector financeiro" e que "reflete, ainda, mudanças estruturais na economia portuguesa, que actualmente gera excedentes sustentados da balança corrente".

O comunicado acrescenta ainda que "Portugal trabalhou arduamente para alcançar este resultado" e garante que o país "continuará a cumprir os seus compromissos e a melhorar as perspectivas para a economia portuguesa".

No entender do ministério das Finanças "esta decisão é um momento de viragem na medida em que expressa a avaliação da União Europeia de que o défice orçamental excessivo de Portugal foi corrigido de forma sustentável e duradoura".

No comunicado, o gabinete de Mário Centeno escreve ainda que "o Governo está empenhado em prosseguir a implementação de reformas ambiciosas, visando aumentar o potencial de crescimento e assegurar uma prosperidade económica sustentável e inclusiva" e assegura que "Manter-se-á a estratégia financeira cautelosa e rigorosa para preservar e para incrementar os benefícios agora observados".



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.06.2017

Os tolinhos que andam para aqui a demonstrar a sua total ignorância sobre o que se passa com a especulação nos mercados de dívida pública, ao mesmo tempo que se julgam salvos por um governo messiânico, tentem lembrar-se de 2007. Parecia que estava tudo muito bem no reinado socialista em 2007. Mas não estava. O rei ia nu e a monarquia tinha apodrecido por dentro. O governo com a sua campanha de marketing está a ajudar aqueles que se dedicam a especular em títulos de dívida e não prepara a economia portuguesa para enfrentar os desafios da modernidade.

comentários mais recentes
Nuno Romão 16.06.2017

Centeno só diz enormidades. É duma vaidade patética. O que Schauble afirma é que "O resgate de Portugal é uma história de sucesso". E o responsável pela saída do resgate foi Passos e o seu governo. E também não tenho dúvidas que sem Costa e Centeno o crescimento e o emprego teriam sido maiores.

Conselheiro de Trump 16.06.2017

Espero que depois de tanta expectativa a Fitch nao deixe de ser Fi(t)che.

Anónimo 16.06.2017

Os tolinhos que andam para aqui a demonstrar a sua total ignorância sobre o que se passa com a especulação nos mercados de dívida pública, ao mesmo tempo que se julgam salvos por um governo messiânico, tentem lembrar-se de 2007. Parecia que estava tudo muito bem no reinado socialista em 2007. Mas não estava. O rei ia nu e a monarquia tinha apodrecido por dentro. O governo com a sua campanha de marketing está a ajudar aqueles que se dedicam a especular em títulos de dívida e não prepara a economia portuguesa para enfrentar os desafios da modernidade.

BPI: emite avaliações com putrefação para o públic 16.06.2017

Avaliações do BPI,têm putrefação.Vejam:há pouco tempo Impresa estava em 0,18Eur.BPI avaliou as cotadas,e das 4 que agora deu ordem de compra,está Impresa.Que fez?A avaliar pela subida ANTES da divulgação publica da sua avaliação,divulgou a entidades privilegiadas que foram as grandes beneficiadas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub