Orçamento do Estado Centeno: Cativações "nunca porão em causa níveis de despesa que já existem na administração pública"

Centeno: Cativações "nunca porão em causa níveis de despesa que já existem na administração pública"

Em entrevista ao Diário de Notícias, o ministro das Finanças diz que o faseamento nas alterações de IRS pretende chegar a mais agregados e promete combater o absentismo na Função Pública.
Centeno: Cativações "nunca porão em causa níveis de despesa que já existem na administração pública"
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 15 de outubro de 2017 às 11:24
O ministro das Finanças defende que o papel das cativações no Orçamento do Estado não significa cortes na despesa já existente e que a sua aplicação não comprometerá os valores que a administração pública prevê gastar no ano que vem, apenas travará o seu crescimento.

"[As] cativações apenas têm efeito sobre o crescimento da despesa, nunca porão em causa os níveis de despesa que já existem na administração pública e todos temos de ser muito exigentes com o crescimento da despesa na administração pública. No dia em que voltarmos a romper esta linha, o país pode, de novo, entrar em dificuldades," garantiu Mário Centeno este domingo, 15 de Outubro, em entrevista ao DN.

Para o titular das Finanças, a cativação de verbas é "um instrumento essencial" e "transparente" e "um mecanismo de libertação gradual dos fundos", nomeadamente receitas próprias dos serviços que, defende, se não existirem não podem ser gastos. 

E, perante as críticas da oposição que acusou o Executivo de ter controlado a despesa com recurso às cativações, avisa que seria mau para Portugal "se de repente trocássemos (...) a palavra cativação pelas palavras derrapagem orçamental ou orçamento rectificativo."

Mário Centeno afirma ainda que o Orçamento para 2018, que entregou na sexta-feira passada no Parlamento, mantém os incentivos fiscais à poupança e reduz a carga fiscal particularmente por causa das alterações ao IRS.

"É aliás impossível estar-se preocupado com a poupança e aumentar de forma absolutamente colossal os impostos, como aconteceu no passado," afirma, acrescentando que o documento orçamental para 2018 é "é o primeiro sinal de que o Governo devolve a capacidade de decisão às famílias para que estas as tomem conscientemente e, desse ponto de vista, estamos crentes que a poupança vai aumentar".

Sobre a dispersão ao longo de dois anos dos efeito das alterações no IRS defende ter sido a forma encontrada para que a medida fosse mais ampla e alcançasse mais agregados familiares. Já em relação ao descongelamento de carreiras, diz que foi o factor financeiro a pesar no seu faseamento:

"Algumas destas medidas são de uma dimensão financeira de tal maneira significativa que isso tem obrigatoriamente de ser feito de forma faseada. (...) A conclusão é que este tipo de faseamento segue aquilo que tem sido a prática ao longo de toda a legislatura e que a boa condução da política financeira exige," sustenta.

Questionado sobre a possibilidade de adoptar um ritmo mais acelerado de redução da dívida, Centeno diz que é preciso "não dar passos maiores que a perna" e que o Governo tem conseguido "chegar a um equilíbrio que eu acho que tem sido virtuoso."

"Não me parece que atendendo aos níveis da riqueza e também de défice que temos neste momento em Portugal devêssemos ou ganhássemos o que quer que seja por acelerar este processo [de redução da dívida]," adiciona.

O ministro frisa ainda que essa trajectória de decrescimento da dívida vai arrancar no ano que vem e que só não ocorreu antes pois foi necessário resolver dificuldades no sector financeiro, como a recapitalização da CGD.

"Hoje em dia ninguém põe em causa que Portugal e os portugueses sentem que esta dívida tem de ser honrada, tem de ser paga. Ela foi emitida em nome da República Portuguesa e, portanto, a República Portuguesa cumpre os seus compromissos," argumenta.

O ministro termina a afirmar que o Orçamento para 2018 "faz com que o Estado volte a ser um empregador de pleno direito, que utiliza os instrumentos que tem para gerir este número de trabalhadores", sob pena de no final das contas ficarem "só os custos". Nesse sentido defende a criação prevista de mecanismos para identificar o problema do absentismo na função pública para obter "ganhos de eficiência e poupanças financeiras."



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Não há balas magicas, nem as Há 5 dias

cativações são produto do não pagamento. Parece difícil a compreensão das mesmas, mas não são, é tudo uma questão de isenção. A partir de certos níveis, usa-se orçamentar para melhor saber os destinos do dinheiro. As cativações só entram em ação quando à excedentes nessas orçamentações.

Cativações a bala mágica do reino da fantasia Há 5 dias

O conceito que melhor define a geringonça.
É o ser e o não ser simultaneamente, tens-se um orçamento e não se tem.
Fazem-se as despesas e não se paga aos fornecedores, a não ser que o ministro autorize.
São governo e oposição simultaneamente, o melhor é extinguir PSD e CDS para quê eleições!?

Mudou o Natal, mudou Portugal Há 5 dias

Aqui bimbilham os sinos do Diabo. Portugal com a Esplanada dos Ministérios reduzindo, penso que o povo e a classe média portuguesa de há muito almejam por festas de fim de Ano sem preocupação dos pacotes de inicio de ano novo. No passado, os pacotes eram deixados para o inicio do Carnaval

Ser iletrado é uma coisa, acrescentar Há 5 dias

a essa iliteracia a estupidez e ordinarice é outra. De qualquer modo não é de estranhar, habituados que estão a usá-los em casa com familiares. Cativar orçamentos ou parte deles, significa poupar aquilo que pode gerido doutra maneira. Claro que isto para alguns é areia demais para a sua carroça

ver mais comentários
Notícias Relacionadas
pub