Função Pública Centeno defende que os precários sejam integrados por concurso

Centeno defende que os precários sejam integrados por concurso

Mário Centeno defende que os concursos devem ser a "pedra basilar" da entrada no Estado. Fonte oficial acrescenta que a forma de integração nos quadros ainda será avaliada.
Centeno defende que os precários sejam integrados por concurso
Bruno Simão
Catarina Almeida Pereira 01 de fevereiro de 2017 às 14:28

O regime de concursos que não pode ser "violentado" no processo de integração de precários no Estado. As declarações foram feitas esta quarta-feira, 1 de Fevereiro, pelo ministro das Finanças, numa audição em que o Governo garantiu que a questão será discutida este mês com os sindicatos da Função Pública.

 

"Associa-se" às políticas definidas para a Função Pública "uma dimensão que já de combate à precariedade e em particular a uma grande exigência que tem de ser colocada na vinculação permanente de funcionários públicos", disse o ministro das Finanças, na Comissão de Trabalho e Segurança Social, onde foi ouvido.

 

"O regime concursal não pode ser violentado, esse é o compromisso que a administração tem para com os candidatos de trabalho em funções públicas e deve ser a pedra basilar da nossa actuação, do grau de exigência que seguramente todos temos sobre estas matérias", acrescentou Mário Centeno.

 

Questionada sobre o sentido destas declarações, fonte oficial do ministério das Finanças acrescentou depois que esta é uma questão que ainda tem de ser "avaliada". No programa de integração de precários do final dos anos 90 o regime escolhido foi o concurso, mas na Câmara Municipal de Lisboa optou-se por um tribunal arbitral.

 

As declarações de Centeno surgem no mesmo dia em que o PCP marcou um debate de urgência sobre precariedade no Estado para 16 de Fevereiro defendendo, também, o regime de concursos.

 

O critério para integração nos quadros "deve ter em consideração a situação de quem já está a exercer funções", "não pondo em causa a necessidade de haver mecanismos e métodos concursais", afirmou João Oliveira, líder parlamentar no PCP, à saída da reunião da conferência de líderes.

 

Critério será "exigente"

 

Ao longo da sua audição, o ministro das Finanças repetiu várias vezes que o critério que definirá "necessidades permanentes" e, logo, a entrada de precários no Estado terá de ser "exigente".

 

"O princípio de que uma necessidade permanente deve ser desempenhada por um trabalhador contratado de forma permanente é um princípio de acção inquestionável", começou por referir o ministro. Mas "temos de ser exigentes na definição de necessidade permanente. Quanto mais exigente fomos mais seguros podemos estar que estamos a cumprir o princípio", acrescentou.

 

Além disso, prosseguiu, "temos de juntar a este princípio que pela sua relevância económica e social tem de ser um espaço de formação de trabalhadores mais jovens". "É importante que essa separação seja feita de forma muito clara para não corrermos o risco de fechar a administração a essa sua função importantíssima".

Se por um lado não se pode "admitir a existência de utilização abusiva de instrumentos" como os estágios ou os contratos a prazo, por outro "não podemos fechar a administração pública sobre si própria".

 

O Governo criou um grupo de trabalho que teve seis meses para elaborar um relatório sobre precariedade do Estado, até 31 de Outubro. Inicialmente, o despacho que criou o grupo de trabalho previa que se abordassem situações como estágios, bolsas ou contratos emprego-inserção, mas o PCP e o Bloco de Esquerda exigiram depois que o Governo também abordasse a situação dos contratados a prazo, numa discussão que coincidiu com as negociações para a integração de professores no quadro.

 

A Lei do Orçamento do Estado prevê que o plano seja apresentado ao longo do primeiro trimestre, desencadeando procedimentos até Outubro.

 

Já passaram três meses e o relatório ainda não foi apresentado. Na sexta-feira passada o primeiro-ministro anunciou que o estudo seria apresentado ao longo desta semana, já com medidas concretas. De acordo com o jornal Público isso pode não acontecer no prazo anunciado: o Governo ainda quer reunir com o PCP e com o Bloco de Esquerda nos próximos dias, para discutir o conteúdo do documento.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Eterno segundo lugar = desempregado 01.02.2017

Com concurso ou sem ele, só os "amigos" dos chefes é que tem direito a sair da precariedade, não tem nada a ver com competência por isso deixemos de ser cínicos e acabaremos com estes concursos de atirar areia para os olhos e admitamos de vez as pessoas sem concurso.

pub