Política Centeno diz que receita orçamental portuguesa é exportável para a Europa

Centeno diz que receita orçamental portuguesa é exportável para a Europa

O ministro das Finanças considera que o que mudou em Portugal desde a chegada ao Governo foi que os portugueses voltaram a ter confiança no país e que a solução de implementar uma “nova política” com respeito pelos compromissos com Bruxelas pode ser decalcada para o resto da Europa.
Centeno diz que receita orçamental portuguesa é exportável para a Europa
Bruno Simão/Negócios
Negócios 17 de abril de 2017 às 11:33

"Penso que o modelo português – dar uma alternativa sem perturbar a estabilidade do sistema – é uma receita exportável para todo o continente," afirmou Mário Centeno em entrevista ao jornal italiano La Reppublica publicada na passada quarta-feira, na véspera da aprovação do Programa de Estabilidade e Crescimento.

Questionado sobre qual é a receita para a "Primavera de Portugal", Centeno responde: "Simples. Os portugueses voltaram a ter confiança no país. Porque fomos capazes de lhes mostrar uma alternativa às políticas praticadas até agora na Europa, demonstrando que os sacrifícios dão frutos."

E volta a enumerar os resultados acenados pelo Governo socialista - como o défice mais baixo da democracia (2% em 2016), o crescimento das exportações (0,9% em 2016, o pior ano desde 2009) e o início da descida da dívida (em 2016 aumentou 9,5 mil milhões de euros para 241,1 mil milhões, podendo ficar em 129,7% do PIB) - para justificar a estratégia seguida. 

Evitando referir-se à política do Governo liderado por António Costa como anti-austeritária, Centeno prefere chamar-lhe um "pacote de reformas" que permitiu concluir que foi "um erro" condenar a Europa à austeridade.


E resumindo a "lição portuguesa", o ministro aponta o sentido de responsabilidade demonstrado pelos partidos (sem nomear) que, alega, permitiram pôr em prática novas soluções políticas sem abandonarem os compromissos com a Comissão Europeia.




A sua opinião34
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 17.04.2017

Exportar dependência futura e sobreendividamento para a próxima geração pagar motivado pelo excedentarismo e corrupção sem paralelo na Eurozona, de uma economia pouco competitiva que não consegue criar qualquer valor para a economia mundial contemporânea, tecnologicamente avançada e globalizada, dotada de uma sociedade iníqua que capturou um Estado insustentável, é o que ele quis dizer. Os finlandeses, holandeses, belgas, alemães e italianos do norte que tenham lido estas declarações do milagreiro iluminado têm novo motivo para ridicularizar os portugueses.

comentários mais recentes
Anónimo 18.04.2017

Ó Anónimo, Portugal devia exportar era a tua inteligência. Mas era dentro de uma caixinha de pinho envernizado.

Anónimo 17.04.2017

Agora e' que portugal vai ficar rico, a exportar inteligencia; um modelo perfeito de governo; talvez a Alemanha , a inglaterra , os EUA comprem!

pertinaz 17.04.2017

FUGA PARA A FRENTE ATÉ SE ESMAGAR NUMA PAREDE...

NEM VALE A PENA ARGUMENTAR... A ESCUMALHA ESTÁ EM MARTE...

Só uma coisa não se pode exportar, por 17.04.2017

não nascer espontaneamente é a inteligência. Essa cultiva-se praticando, e aperfeiçoa-se. Tudo o resto desde que seja para melhoria das condições de vida de cada um de nós é bem vinda. Compreende-se o desespero, daqueles que apostaram no burro errado durante 4 anos, em que foram levados à miséria.

ver mais comentários
pub