Europa Centeno diz ser altura de "recolher benefícios" de esforços

Centeno diz ser altura de "recolher benefícios" de esforços

O ministro das Finanças e recém-eleito presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, afirmou ser altura de "recolher benefícios" dos esforços realizados em anos de crise económica e de concluir a união bancária.
Centeno diz ser altura de "recolher benefícios" de esforços
EPA
Lusa 14 de dezembro de 2017 às 12:05
Em entrevista à cadeia televisiva CNBC, em Lisboa, Centeno notou aos cidadãos europeus que valeram a pena os esforços feitos e que é altura de "colher os benefícios" depois de anos de crise económica.

Com o regresso do crescimento e novos ciclos políticos em diversos Estados-membros, o titular das Finanças encontra uma janela de oportunidade para aprofundar a integração na zona euro, afirmando a necessidade de concluir a união bancária.

"Concluir a união bancária significa coisas ligeiramente diferentes para cada membro do Eurogrupo. Temos de tentar concentrar-nos no terreno comum que certamente temos e temos que o fazer", afirmou o ministro, referindo que para reformas na zona euro "são essenciais tempo e paciência".

Sobre a possibilidade de uma Europa a várias velocidades na implementação de medidas, Centeno respondeu com a necessidade de "fazer progressos".

"Se o progresso tem que ser feito à medida, de acordo com a vontade dos países em ir mais depressa em áreas específicas, penso que isso não será um problema", avançou Centeno, que assume a presidência do Eurogrupo a 13 de Janeiro para dois anos e meio "intensos" e que não serão definidos por posições a favor ou contra a austeridade.

"É perceber que a resposta que tivemos das reformas precisa de ser correspondida por alguma resposta da procura e a Europa está em boa posição para o fazer", acrescentou nesta entrevista.

A saída do Reino Unido do conjunto dos 28 foi assumida por Centeno como um dos principais desafios, sendo "um choque negativo, certamente para todas essas economias" e que terá de ser encarada com uma reforma estrutural.

"De um choque negativo podemos e devemos construir soluções positivas", argumentou.

Já sobre a situação grega, Centeno referiu que um eventual alívio da dívida apenas surgirá depois de concluído o terceiro programa de resgate, o que deverá ocorrer em Agosto de 2018.

O ministro saudou o trabalho feito pelas autoridades gregas para cumprirem as metas estipuladas.

Questionado sobre os planos para reformar o sistema fiscal norte-americano, com possíveis consequências nas trocas externas, o governante português notou que o processo não deve deixar de fora a cooperação com parceiros comerciais.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Sócrates e os socialistas faliram o país; Passos com coragem e esforço recuperou o país e com Costa é altura de "recolher benefícios" dos esforços. Parabéns Centeno pela lucidez. Agora a geringonça e os xuxas tradicionais vão crucificar-te. Isto já é cartilha de Eurogrupo.

Não é preciso avisares... Há 4 dias

Oh Centeno, para colher benefícios não é preciso avisar...olha só os teus amigos socialistas a quantidade de benefícios que andam a colher da Raríssimas...
Toca a esbanjar que as próximas gerações aguentam...quem vier atrás que feche a porta!

Mr.Tuga Há 4 dias

ah, ah, ah, ah, ah, ah..... Patético.....

Ó rapazola, não passas de um bibelô!!! Fazes o que a Alemanha e França mandar !!!!!!!!!!!!!!!
Ou acha que os países "a sério" permitiriam que levasses a UE a BANCARROTA ?!?!? Como os seus camaradas do Largo dos RATOS: FALIDOS!!!

Anónimo Há 4 dias

desde o momento que chegou ao governo, (sem ganhar as eleições e os cofres estabilizados, depois de o Sócrates deixar o pais na falência), são só benesses, não imagino donde venha tanto dinheiro para tanta demagogia!

pub