Finanças Públicas Centeno espera que saída de défice excessivo convença mercados

Centeno espera que saída de défice excessivo convença mercados

O ministro das Finanças aguarda por uma "decisão positiva" de Bruxelas sobre encerramento de défice excessivo, que permitirá que os mercados adoptem uma posição diferente sobre Portugal.
Centeno espera que saída de défice excessivo convença mercados
Bruno Simão
Lusa 27 de janeiro de 2017 às 15:19
O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse hoje esperar uma "decisão positiva" sobre o encerramento, pela Comissão Europeia, do Procedimento por Défices Excessivos (PDE), um dos temas da reunião que teve com o comissário Pierre Moscovici.

"Portugal tem, neste momento, condições para que as decisões futuras sobre Procedimento por Défices Excessivos sejam positivas", disse Centeno aos jornalistas à saída do encontro, sublinhando ter sido "nessa base e nesse tom" que decorreu a conversa com o comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros.

"Temos de trabalhar e o esforço que temos feito, em todos os processos que tivemos com a Comissão Europeia e com as instituições, foi muito determinado no sentido de ter um resultado positivo, tivemos sucesso em todos eles ao longo de 2016. Este é mais um passo importante, criámos todas as condições, do ponto de vista das contas públicas, para que isso aconteça e vamos bater-nos nesse sentido", acrescentou Centeno, que participou hoje na reunião dos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin).

O encerramento formal do PDE permitirá que os mercados adoptem uma posição diferente sobre Portugal, sublinhou, acrescentando que "a situação de liquidez e da nossa capacidade de financiamento em 2016 não está posta em causa".

Ainda sobre a reunião com Moscovici, o ministro referiu que deu ao comissário "informação detalhada sobre a economia portuguesa e a projecção do ano 2017".

Para a Comissão Europeia propor o encerramento do PDE a Portugal, tem de concluir que o défice excessivo foi corrigido de forma duradoura e sustentável, o que pressupõe que o défice seja inferior a 3% do Produto Interno Bruto até 2017, o que só se concluirá nas previsões económicas da primavera, altura em que o Eurostat já deverá ter confirmado o valor final do défice de 2015.



A sua opinião48
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Horizonte 27.01.2017

Estamos perto de finalizar este importante passo para mudar de vida, espero que continuem (PS ou PSD) até se atingir o superavit das contas do Estado...e começar a endireitar este País, e a aliviar a carga de quem vive e trabalha em Portugal.

comentários mais recentes
Isabel rocha 29.01.2017

Este Centeno ainda nao caiu nele!!!!!

pertinaz 29.01.2017

CRUZES... CONVENCER OS MERCADOS DE QUÊ???

Paulo Reis 28.01.2017

Os mercados não se convencem com contas forjadas. Os mercados reagem aos aumentos da economia e da produtividade, aliados a uma diminuição da divida. Cada dia temos uma divida maior e uma produção menor. BE e PCP, aliados do governo, sempre a dizer que deviamos restruturar a divida. Quem empresta???

nb 27.01.2017

Sair com aldrabices, vai mesmo convencer alguém a não ser os do costume que mamam na máquina. Julga este, que os investidores internacionais estão para nos dar o dinheiro, com caloteiros do PCP e BE a dizer que não o querem pagar. Vai longe, vai...

ver mais comentários
pub