Finanças Públicas Centeno não se compromete com mudanças no IRS em 2018 e admite medida faseada

Centeno não se compromete com mudanças no IRS em 2018 e admite medida faseada

O ministro das Finanças afirmou esta quinta-feira que as alterações nos escalões do IRS vão ser introduzidas "ao longo da legislatura", sem garantir se serão adoptadas em 2018, e abriu a porta a um "faseamento temporal" da medida.
Centeno não se compromete com mudanças no IRS em 2018 e admite medida faseada
Bruno Simão/Negócios
Lusa 13 de abril de 2017 às 17:02
"O programa de Governo tem inscrito um princípio de revisão dos escalões do IRS na legislatura. Este Programa de Estabilidade cumpre com esse preceito e há uma verba orçamental, como já existia no Programa de Estabilidade do ano passado e no programa eleitoral do PS, para este fim. Há o objectivo de poder, numa dimensão orçamental muito precisa, promover essa revisão", afirmou o governante na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros de hoje.

Posteriormente, quando questionado sobre se estas alterações serão implementadas em 2018, Mário Centeno optou por não se comprometer com uma data e admitiu que esta medida seja implementada de forma faseada.

"A legislatura felizmente não termina em 2018. O compromisso do Governo mantém-se e ele aplica-se na legislatura, não posso antecipar agora detalhes sobre esta matéria", afirmou.

O ministro das Finanças acrescentou que irá "estudar as incidências todas dessa medida" e que "o seu desenho, os seus contornos e o seu faseamento temporal irão resultar da análise que se fará no quadro parlamentar", reiterando que "neste momento é demasiado cedo" para avançar com mais informação sobre como e quando serão implementadas as mudanças nos escalões do IRS.

No programa de Governo do PS, o executivo assumia como objectivo "aumentar a progressividade do IRS, nomeadamente através do aumento do número de escalões".

No debate parlamentar quinzenal de quarta-feira, a coordenadora do BE, Catarina Martins, interpelou o primeiro-ministro sobre os escalões do IRS e as prometidas alterações, considerando que a carga fiscal, apesar de ter descido, "é ainda "muito alta" e que os impostos são "pouco progressivos e, por isso, pouco justos".

Na resposta, António Costa disse apenas que há negociações em curso com os vários partidos que sustentam o Governo e que o Executivo terá de concluir este trabalho "a tempo e horas do próximo Orçamento do Estado".



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


COSTA LADRÃO, EM AÇÃO (sempre a roubar os trabalhadores do privado).


É a malta dos direitos adquiridos a receber cada vez mais ao fim do mês...

e os restantes portugueses a receber cada vez menos, para sustentar essa gente!

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Quer ler comentários azedos, ressabiados, ordinários?

Recorra aos comentários anteriores.

Anónimo Há 2 semanas

FANÁTICOS EXTREMISTAS

Os xuxa.s são tão fanáticos como certas religiões que todos conhecemos.

Por isso acreditam em tudo o que os seus chefes dizem, e ameaçam / insultam todos os que denunciam as suas muitas asneiras e crimes!

Anónimo Há 2 semanas

FANÁTICOS EXTREMISTAS

Os xuxa.s são tão fanáticos como certas religiões que todos conhecemos.

Por isso acreditam em tudo o que os seus chefes dizem, e ameaçam / insultam todos os que denunciam as suas muitas asneiras e crimes!

Anónimo Há 2 semanas

A POLÍTICA DE EMPOBRECIMENTO DO PS:

- Endividar o país até à bancarrota.

- Dívidas e juros, para várias gerações de portugueses pagarem durante muitas décadas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub