Orçamento do Estado Centeno: OE evita que credibilidade seja posta em causa

Centeno: OE evita que credibilidade seja posta em causa

O ministro das Finanças abriu esta sexta-feira o segundo dia de debate do Orçamento do Estado para 2018 com uma argumentação semelhante à que foi usada pelo primeiro-ministro um dia antes. Este é um Orçamento que prepara o futuro.
A carregar o vídeo ...
Marta Moitinho Oliveira 03 de novembro de 2017 às 11:55
Mário Centeno defendeu esta sexta-feira, 3 de Novembro, que o caminho traçado até agora "pode ser colocado em causa", mas garantiu que o Orçamento do Estado para 2018 serve exactamente para evitar que isso mesmo aconteça. 

"A credibilidade foi ganha com o esforço de todos. Com as políticas de estabilização do Governo e com a dedicação de empresas e trabalhadores, obreiros do aumento da competitividade da nossa economia. Este trajecto pode ser colocado em causa. O que tanto custou a conquistar pode-se perder mais rapidamente do que levou a conseguir. Devemos todos manter o mesmo sentido de responsabilidade que nos fez chegar até aqui. O Orçamento do Estado segue precisamente essa linha. É um documento para o futuro de Portugal e dos portugueses."

O ministro das Finanças falava no Parlamento durante o segundo dia do debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2018.

O governante destacou a intenção do Governo de reduzir a dívida pública e quantificou os benefícios para a execução orçamental da diminuição dos encargos com juros da dívida pública. "Entre o Programa de Estabilidade [com data de Abril] e o Orçamento do Estado para 2018, a previsão de despesa [com juros] foi revista [em baixa] em 350 milhões este ano e em 2018 em 800 milhões de euros."

Mário Centeno defendeu também que o rigor não é para o Governo "um chavão", sinalizando assim que em matéria de contas públicas a redução do défice e da dívida continuam a ser objectivos.

No entanto, Mário Centeno valorizou ainda as medidas de recuperação de rendimentos, lembrando que o IRS vai baixar para todos.   



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub