Zona Euro Centeno: Parceiros europeus reconhecem “os grandes resultados” da Grécia

Centeno: Parceiros europeus reconhecem “os grandes resultados” da Grécia

Em entrevista à Bloomberg, o ministro das Finanças mostra-se confiante que o Governo grego vai honrar os seus compromissos e diz que o acordo de ontem foi "um grande sucesso".
Centeno: Parceiros europeus reconhecem “os grandes resultados” da Grécia
Reuters
Rita Faria 16 de junho de 2017 às 11:46

O ministro português das Finanças revelou esta sexta-feira, 16 de Junho, que os parceiros europeus estão confiantes que a Grécia vai cumprir os compromissos acordados com as instituições credoras, e reconhecem os "grandes resultados" que o Governo tem apresentado.

Um dia depois de o Eurogrupo ter acordado o desembolso da próxima tranche a Atenas, no valor de 8,5 mil milhões de euros, Mário Centeno saúda a decisão, referindo tratar-se de "um grande sucesso".

"Foi, certamente, um grande sucesso, no sentido em que houve um avanço, e o desembolso [da tranche de 8,5 mil milhões de euros] está agora garantido", afirmou o ministro das Finanças, numa entrevista à Bloomberg TV, no Luxemburgo.

Centeno acrescentou que "há um grande consenso no que respeitas à condições para a análise da sustentabilidade da dívida" e que os parceiros estão "muito confiantes".

"Temos um grande reconhecimento por todos os esforços que as autoridades e o povo grego estão a fazer, com os grandes resultados que estão a ter. Vamos chegar a uma análise da sustentabilidade da dívida forte e robusta que vai preparar caminho para a Grécia ter acesso a todos os programas", afirmou Centeno, referindo-se ao programa de compras de obrigações do Banco Central Europeu (BCE).

Ainda que admita que a saída do programa de assistência financeiro é "uma longa jornada", Centeno está confiante que Atenas "vai ter sucesso".

Mário Centeno falava à Bloomberg à margem da reunião dos ministros das Finanças da União Europeia, onde será analisado o pedido de Portugal para antecipar o pagamento de 10 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional, e formalizada a saída do país do Procedimento dos Défices Excessivos. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.06.2017

Uma farsa completa.A Grécia não sai da desgraça sem um perdão da dívida e sem sair do euro. O FMI sabe-o e por isso continua de fora da farsa.

Conselheiro de Trump 16.06.2017

Qual o meu espanto e alegria quando ontem em cima da minha bicicleta em direcao ao trabalho vejo dezenas de sacolas com a respetiva bandeira nacional anunciaram um fim desesperante dos alunos q se submeteram a exames nacionais.Nos como em tudo alapamos sempre na ultima carroagem expostos ao ruido.

Conselheiro de Trump 16.06.2017

Neste pais e tradicao quando os alunos passam nos exames q lhes garante a possibilidade de ingressarem numa universidade ou outra do mesmo quilate,poe a bandeira nacional com a sacola da escola a janela.Sigo ja a seguir.

Anónimo 16.06.2017

O governo Holandês de Mark Rutte, eleito em 2010, reduziu em 12% o número de colaboradores do sector público holandês num mercado laboral já de si tão flexível. Não o fez por maldade ou mania. O processo está ainda em marcha, como o estará em França e tantos outros lugares. A irracionalidade, a fantasia e a manha são apanágio das forças sindicais e outros lóbis corporativos anti-mercado, anti-equidade e anti-sustentabilidade. Fê-lo com base nos mais correctos, adequados e facilmente justificáveis princípios da boa gestão moderna e da mais elementar racionalidade económica que permitem e fomentam a criação de valor. O putativo Rutte português, àquela época, poderia chamar-se Sócrates ou Passos. Portugal teve a sua oportunidade para se modernizar e desenvolver de modo sustentável e jogou-a fora mais uma vez... Ainda vai a tempo de se redimir. "Dutch to cut up to 12 percent of civil service jobs in five years" http://uk.reuters.com/article/uk-dutch-government-jobs-idUKBRE94M0N520130523

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub