Concorrência & Regulação Centeno promete reforma da supervisão "nas próximas semanas"

Centeno promete reforma da supervisão "nas próximas semanas"

O ministro das Finanças prometeu avançar com a reforma da supervisão "nas próximas semanas". Para Mário Centeno esta alteração exige uma "ponderação séria".
Centeno promete reforma da supervisão "nas próximas semanas"
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 08 de setembro de 2017 às 18:39

Para o ministro das Finanças há margem de "aperfeiçoamento", por forma a que "as actividades de supervisão sejam capazes de dar resposta mais capaz". 

 

Centeno avisou que com a nomeação dos dois vice-governadores - Elisa Ferreira e Luís Máximo dos Santos - e de dois novos administradores - Ana Paula Serra e Luís Laginha de Sousa - fica estabilizada "a composição e dimensão do conselho de administração do Banco de Portugal". E estas nomeações "valorizam" a instituição liderada por Carlos Costa. 

A reforma da supervisão bancária é prometida pelo Governo há já vários meses. Em Março, o ministro das Finanças foi ao Parlamento depois de receber o anteprojecto do documento de consulta pública para essa reforma, um projecto que tinha sido liderado pelo antigo presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, Carlos Tavares. O objectivo seria tornar público esse documento, o que não aconteceu. 

 

"Nas próximas semanas", disse então Centeno, o documento seria tornado público. Haveria depois um período de debate público de aproximadamente três meses, a que se seguiriam depois as propostas concretas para a reforma. O documento nunca foi tornado público, sendo que houve contributos dos vários reguladores após essa apresentação no Parlamento. 

 

Esta sexta-feira, Mário Centeno volta a prometer para as "próximas semanas" a reforma da supervisão. Das pistas que foi deixando, Mário Centeno disse que pretendia criar uma grande-entidade que ficasse responsável por articular todas as entidades supervisoras (Banco de Portugal, CMVM e ASF) e colocar aí a responsabilidade pelo poder de resolução bancária, retirando-a do Banco de Portugal.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 12.09.2017

Prepara-te Carlos Costa. Ele quando estava no Banco de Portugal, nunca te gramou. Agora......

Anónimo 09.09.2017

Há anos que falam, falam, falam, e não fazem nada. Agora até o Governador, ladeado por dois PS, está a salvo. Tretas

pertinaz 08.09.2017

TRADUZINDO: FAZER A FOLHA AO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL...!!!

pub