Economia Centeno quer Eurogrupo com planos alternativos para evitar bloqueios políticos

Centeno quer Eurogrupo com planos alternativos para evitar bloqueios políticos

Na carta que formaliza a candidatura, o ministro das Finanças deverá invocar os resultados alcançados pelo Governo no sistema bancário e na frente orçamental para sustentar a decisão.
Centeno quer Eurogrupo com planos alternativos para evitar bloqueios políticos
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 30 de novembro de 2017 às 12:50

O ministro das Finanças defende que o Eurogrupo deve ter soluções de políticas alternativas às que forem sendo decididas e que possam ser aplicadas sempre que existem entraves políticos nos países da Zona Euro. A ideia fará parte da carta de motivação que Mário Centeno enviou esta quinta-feira para Bruxelas e que formaliza a sua candidatura à presidência do Eurogrupo, sabe o Negócios.

O gabinete do primeiro-ministro anunciou esta manhã que Portugal decidiu candidatar o ministro das Finanças, Mário Centeno, à presidência do Eurogrupo.

Ao que o Negócios apurou, na carta o ministro das Finanças fala dos resultados alcançados internamente enquanto titular da pasta, referindo-se também à agenda que pretende desenvolver caso seja eleito a 4 de Dezembro.

Quanto aos planos enquanto líder dos ministros das Finanças dos 19 estados-membros que partilham a mesma moeda, Mário Centeno defende que o Eurogrupo deve promover discussões que envolvam todas as instituições da União Europeia, incluindo os contributos da academia. Além disso, o ministro mostra-se defensor de receitas alternativas que respondam a bloqueios políticos.

Uma solução que permitiria continuar a progredir sempre que as primeiras escolhas de políticas não foram politicamente viáveis em todos os estados-membros.

Ainda no que respeita à agenda para a Zona Euro, Centeno mostra-se de acordo com o presidente do Conselho Europeu, que pretende tornar mais transparente e concreto o caminho para reformar a Zona Euro.

Na carta, Mário Centeno lembra os resultados internos para argumentar que a sua experiência enquanto ministro das Finanças pode ser útil ao Eurogrupo. Os progressos alcançados na estabilização do sector bancário são o primeiro argumento invocado por Centeno que pode ser útil numa altura em que a Europa ainda tenta completar a União Bancária.

De seguida, o ministro refere-se às questões orçamentais, lembrando o seu compromisso com o cumprimento das regras acordadas no Pacto de Estabilidade e Crescimento, mas sustentando que o Eurogrupo pode contribuir para o debate em torno de um quadro de vigilância orçamental mais eficiente. 



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Agora é que a União Europeia vai entrar em colapso de vez com um malabarista ilusionista à frente do Eurogrupo. Já não bastava o Brexit!

Anónimo Há 1 semana

"o ministro das Finanças deverá invocar os resultados alcançados pelo Governo no sistema bancário e na frente orçamental para sustentar a decisão."
O quê? Que resultados? Empurrou os problemas para debaixo do tapete, o próximo que varra.

Anónimo Há 1 semana

É isso mesmo! Que se lixe a democracia que só cria. entraves e bloqueios políticos. Glória aos Divinos Desejos do Eurogrupo.

Anónimo Há 1 semana

É desta que Portugal vai ter de cumprir os critérios de convergência e controlo da despreza. É o abraço do Urso!!!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub