Finanças Públicas Centeno rejeita "liminarmente" reestruturação da dívida portuguesa

Centeno rejeita "liminarmente" reestruturação da dívida portuguesa

Falando em Bruxelas, o ministro das Finanças disse que reduzir a dívida pública passa por o Estado apresentar sucessivos excedentes primários. Em Lisboa, no parlamento, disse uma coisa diferente: que queria uma redução da taxa de juro.
Centeno rejeita "liminarmente" reestruturação da dívida portuguesa
Bruno Simão
Eva Gaspar 08 de Novembro de 2016 às 18:19

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou nesta terça-feira, 8 de Novembro, que "rejeita liminarmente" uma reestruturação da dívida pública portuguesa. Falando em Bruxelas, perante uma comissão do Parlamento Europeu a propósito do risco de suspensão de fundos estruturais que pende sobre o país, Centeno disse que Portugal tem de baixar o peso da dívida pública, que representa valores da ordem dos 130% do PIB, acrescentando que a melhor forma de o alcançar é através de excedentes primários, ou seja, de o Estado executar sucessivamente Orçamentos com menos despesa do que receita, retirando do cálculo a despesa em juros e amortização de dívida.

Apresentar excedentes orçamentais é algo que exige muito esforço oa país mas é uma trajectória com a qual Portugal está comprometido, acrescentou Mário Centeno, depois de referir que, neste ano, o Estado português apresentará o maior excedente primário (1,9% do PIB) e o menor défice orçamental nominal (2,4%) dos últimos 40 anos.


As declarações do ministro surgem depois de ontem o presidente do Eurogrupo ter afastado a possibilidade de estender a Portugal o processo de alívio das condições de pagamento dos empréstimos europeus que está a ser negociado para a Grécia. "Não discutimos, nem vamos discutir, porque Portugal é capaz de gerir a sua dívida. E não estamos certos que assim seja no caso da Grécia, é essa a grande diferença. Não vamos confundir" as situações, disse Jeroen Dijsselbloem, no final do encontro mensal dos ministros das Finanças da Zona Euro (Eurogrupo).

Dijsselbloem respondia a jornalistas portugueses que o confrontaram com declarações recentes de Centeno. Falando na Assembleia da República, aquando da discussão, na generalidade, da proposta de Orçamento do Estado para 2017, o ministro das Finanças disse ser "necessário que Portugal tenha uma redução da taxa de juro que paga sobre o seu endividamento. Essa discussão é uma discussão que apenas pode ser tida no contexto europeu". Na ocasião, o ministro disse ainda que Governo está disposto a ter essa discussão e que tem feito por isso no plano europeu, tendo sido elogiado pelo Bloco de Esquerda, o partido que mais tem insistido na reestruturação da dívida.

Já esta tarde, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmara que "Portugal não tenciona renegociar a sua dívida, no sentido de pedir aos seus credores uma lógica qualquer de um corte do 'stock' da dívida devida. Portugal não tenciona suscitar por si qualquer processo de reestruturação sistémica da dívida". Santos Silva falava numa audição conjunta das comissões parlamentares de Assuntos Europeus e de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, a propósito da proposta do Orçamento do Estado para 2017, e respondia a uma questão do CDS-PP, refere a Lusa.




A sua opinião34
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado ThomasZurc Há 1 dia

Mais um sapo para a Katy do BE engolir....
Ela que ficou tão sensibilizada com o SemTino no Parlamento.
E aqui se vê que internamente dizem uma coisa e lá fora outra.
Naturalmente não se deseja sanções por penalizar ainda mais quem já tá teso.
Vamos ver é se não aprenderam com os gregos a esconder dívida a fornecedores, etc

comentários mais recentes
Cláudio Márcio Araújo da Gama Há 2 semanas

O QUADRO MACROECONÔMICO PARA A ADMINISTRAÇÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS

Mais em:

http://www.administradores.com.br/producao-academica/o-quadro-macroeconomico-para-a-administracao-das-financas-publicas/6815/

O melhor nos ultimos 40 anos! Há 1 dia

Praqueles a quem o retctinol nao aliviou a "azia" tomem nota: Ao contrario do Cuelho/Mariloo, o Centeno apresenta o MAIOR excedente primario e o MENOR defice dos ultimos 40 anos.

Anónimo Há 1 dia

ó centeno tu nao "rejeitaste" nada. A Europa é que te deu um chuto no cu e te amndou passear.

Tereza Pato da Costa Há 1 dia

já se passou

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub