Economia Centeno: Ser presidente do Eurogrupo "não muda nada na política interna"

Centeno: Ser presidente do Eurogrupo "não muda nada na política interna"

O ministro das Finanças português diz que a sua eleição "não muda nada" na política interna, e garante que ter uma política orçamental cumpridora não será uma responsabilidade "nem nova, nem acrescida". Sobre o seu papel como Presidente, quer contribuir para "desafiar o que parecem ser equilibrios feitos" nos debates sobre o futuro do euro.
A carregar o vídeo ...
Rui Peres Jorge 04 de dezembro de 2017 às 20:48

Mário Centeno garante que a sua eleição para a liderança do Eurogrupo não mudará nada nas prioridades económicas nacionais, nomeadamente na orientação da política orçamental que, defende, se tem pautado por princípios de credibilização e responsabilidade que, diz, contribuíram para a sua eleição.

 

Numa sessão com jornalistas portugueses, o ministro das Finanças foi instado a comentar as reações que foram surgindo em Portugal à sua eleição, e os desafios que tem pela frente na gestão do duplo papel de ministro e Presidente do Eurogrupo.

 

"Esta eleição na política interna de Portugal, na verdade, não muda nada", afirmou, quando questionado sobre as posições do PCP e do Bloco de Esquerda de que não esperam que Centeno mude alguma coisa nas prioridades europeias, nomeadamente de apertada fiscalização orçamental sobre o país. As garantias parecem ao mesmo tempo tentar descansar os dois partidos quanto ao risco de Centeno passar a adoptar medidas orçamentais mais restritivas.

"Nós temos um conjunto de compromissos na governação que não são de todo colocados em causa com estas eleições", reforçou.

 

Mas se a política orçamental não será mais restritiva, com certeza também não será mais flexível: "Já referi que temos um princípio de credibilização e responsabilidade no contexto económico e monetário em que Portugal se encontra", afirmou, defendendo que este é um princípio inscrito no "programa de governo" e que foi essa responsabilidade e os correspondentes resultados que permitiram a credibilização internacinal da economia portuguesa. De tal forma que "esta credibilização permitiu que o Ministro das Finanças fosse eleito presidente do Eurogrupo por unanimidade", disse, garantindo que, tal como no passado, as metas orçamentais de 2018 serão cumpridas - isto apesar do cepticismo da Comissão Europeia que coloca o Orçamento nacional em risco de não cumprimento das metas, uma avaliação que foi adoptada pelo Eurogrupo na mesma reunião em que foi eleito.

 

Neste contexto, Centeno não acompanha a ideia que de que o cargo lhe traz responsabilidade acrescida em Portugal, uma possível interpretação das palavras de Marcelo Rebelo de Sousa durante a tarde: "Agora que temos a presidência do Eurogrupo, somos ainda mais responsáveis do que éramos anteriormente. Portanto, não pode haver nem descuidos nem aventuras em matéria financeira em Portugal", afirmou o Presidente da República.

 

Na parte que lhe toca, Centeno diz que "não é uma responsabilidade acrescida, nem nova", e lembrou que nos últimos anos trabalhou para fechar o processo de sanções, depois para impedir o congelamento de fundos comunitários, e finalmente para sair do Procedimentos dos Défices Excessivos (PDE), exactamente em nome dessa responsabilidade e do cumprimento de metas e compromissos, embora reconheça que há "um novo patamar dessa exigência". "Estou certo que Portugal e os portugueses estarão dispostos e orgulhosos de podermos estar nesta posição".

 

O ministro seguiu para destacar que esta nomeação para o Eurogrupo "traz para o país uma distinção que nenhum outro [cargo] tinha trazido", pois trata-se do "ministro das Finanças de Portugal, que por acaso se chama Mário Centeno". "É uma honra para mim, e é uma distinção para o país".

 

Quanto ao seu papel enquanto presidente do Eurogrupo, Centeno ambiciona contribuir para "desafiar o que parecem ser equilíbrios feitos", assumindo que tentará "incutir um pouco mais de estrutura aos debates e arranjar instrumentos que permitiam trazer essas ideias para uma construção futura da área do euro".

* Jornalista em Bruxelas




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Água Ráz Há 6 dias

Levam-nos o Centenas o nosso ca.ga milhões para encher os cofres da Merkel .....Também devia ir o grande Jirolme o ca.ga tostões pois a sua acção meritória de sustentação das arruadas merecia .E a Catarina a sempre enganada apesar dos olhos grandes vê mal ao longe merece o prémio da pouca visão

Anónimo Há 6 dias

Ahahaahhhaaa! Os novos faxineiros da Merkel e da Alemanha! O PCP e o BE ficaram literalmente faxinados!

Anónimo Há 6 dias

Sublimamos as nossas insuficiências e incapacidades com umas nomeações pírricas para cargos internacionais que nunca tiveram,nem terão, qualquer impacto na superação daquelas insuficiências e incapacidades.

JARANES Há 6 dias

AFINAL lÁ, COMO CÁ, TAMBÉM HÁ CHICOS-ESPERTOS!...
Titular cargos na estrutura político-administrativa da União Europeia não é prestigioso para ninguém porque, como resulta claro da praxis dos respectivos órgãos, os titulares são meramente figurativos; posto que quem dita as decisões é um número restrito de países que, cientes do seu poder deferem aos países menores o penacho, conseguindo com isso criar um estado psicológico adequado à aceitação das medidas ainda que prejudiciais aos interesses destes.
Esta nomeação é, sobretudo, o reconhecimento da habilidade de Mario Centeno em conseguir implementar DE FORMA ENGANOSA medidas austeritárias, através das cativações e imposições fiscais indirectas.
É certo que este tipo de esperteza não é forma daqueles países actuarem; porém desde que sirva os seus interesses nada impede que aplaudam.
Não que eu não concorde, atento o estado das finanças públicas e da dívida, com a austeridade. O que não concordo é com este modo de fazer política.

Saber mais e Alertas
pub