Finanças Públicas Centeno: Suspensão de fundos "não pode acontecer e não vai acontecer"

Centeno: Suspensão de fundos "não pode acontecer e não vai acontecer"

Falando no Parlamento Europeu, o ministro das Finanças disse que se a União Europeia aplicasse sanções a Portugal comprometeria a recuperação da economia e do emprego, e seria uma decisão incompreensível para portugueses e europeus. "Não teria qualquer racionalidade económica ou política".
Centeno: Suspensão de fundos "não pode acontecer e não vai acontecer"
Miguel Baltazar
Eva Gaspar 08 de Novembro de 2016 às 17:58

O ministro das Finanças, Mário Centeno, considera que a possibilidade de a União Europeia suspender o fluxo de fundos estruturais a Portugal não teria "qualquer racionalidade económica ou política".


Falando no Parlamento Europeu, ao lado da secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques, o ministro disse que "estamos a debater uma pena que seria directamente imposta sobre as pessoas e empresas e não sobre o Governo português", o que minaria a confiança dos cidadãos no projecto europeu e numa altura em que Portugal se prepara para apresentar os melhores dados sobre a execução orçamental dos últimos 40 anos. "Isso não pode acontecer e, por isso, não vai acontecer," afirmou.


"Depois de tantos sacrifícios e numa altura em que estamos a cumprir as metas, quaisquer sanções não seriam compreendidas nem pelos cidadãos portugueses nem pelos europeus", sublinhou, precisando que os fundos europeus representam 78% do investimento público em Portugal e que a sua suspensão, por menor e mais temporária que fosse, desencadearia uma espiral de acontecimentos negativos.

"Seria politicamente punitivo no momento em que Portugal está prestes a sair do Procedimento por Défices Excessivos. Afectaria o diálogo construtivo que as autoridades portuguesas e europeias têm desenvolvido no último ano. Minaria a confiança dos investidores, tanto internamente como no exterior, levando-os a adiar ou mesmo a cancelar projectos, a criação de novos empregos e tornaria mais difícil a presente fase de recuperação económica", enumerou.

O ministro das Finanças está a ser ouvido Parlamento Europeu, em Bruxelas, que o chamou – assim como ao seu colega espanhol, Luis de Guindos - para expor as respectivas razões contra a possível suspensão de fundos a Portugal devido ao défice excessivo. Os países ibéricos enfrentam uma situação inédita no quadro europeu, por terem desrespeitado as metas de consolidação orçamental prometidas para 2015.

Ainda no Verão, a Comissão Europeia optou por não accionar o mecanismo de sanções pecuniárias previsto no Pacto de Estabilidade e Crescimento, mas deixou em aberto a possibilidade de suspender fundos estruturais. Esta é uma decisão ainda em aberto e que justifica as audições no Parlamento, no quadro do chamado "diálogo estruturado" solicitado pelo eurodeputados à Comissão Europeia antes desta formalizar uma proposta final, o que deverá acontecer na próxima semana.


Esta é a segunda vez que o Parlamento Europeu debate a possível suspensão dos fundos a Portugal e Espanha. Na primeira audição, em 3 de Outubro, a maioria dos eurodeputados defendeu que congelar uma tão importante fonte de investimento seria "contraproducente, incoerente com a decisão de cancelamento da multa, injusta e afectaria os cidadãos e as regiões mais vulneráveis".

 
(notícia actualizada às 18h20)




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Aguenta boy Há 3 semanas

Uma Bomba atómica? Deves ser daquela malta que se dá com o Diabo e que o convida a aparecer

??? Há 3 semanas

Tanto faz, os Fundos são roubados

Amel Ribeiro Há 3 semanas

claro que não grande novidade nunca isso esteve em causa Centeno chega de demagogia .

Manuel Sarmento Paes Há 3 semanas

Estejam atentos, vem aí uma BOMBA ATÓMICA! A CGD vai cair proximamente!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub