Conjuntura Centeno vê economia a crescer mais de 3% no segundo trimestre

Centeno vê economia a crescer mais de 3% no segundo trimestre

O ministro das Finanças diz, em entrevista à Reuters, que o crescimento económico é forte e vai acelerar, podendo ficar acima da previsão oficial do governo para o conjunto do ano. Eventual "folga" no défice será destinada a melhorar as condições de financiamento da economia.
Centeno vê economia a crescer mais de 3% no segundo trimestre
Miguel Baltazar/Negócios
Eva Gaspar 24 de maio de 2017 às 16:30

Mário Centeno acredita que a economia portuguesa possa crescer a um ritmo homólogo superior a 3% no segundo trimestre e que, no conjunto do ano, a taxa de crescimento do PIB possa superar os 2%, ficando acima da previsão oficial do governo, actualmente fixada em 1,8%.

 
"Todos os indicadores que temos do segundo trimestre mostram uma aceleração homóloga muito significativa do crescimento. Isso pode significar, por exemplo, e esse número vou arriscá-lo, que o crescimento do segundo trimestre venha a ser superior a 3% em termos homólogos dada a aceleração que estamos a assistir", disse o ministro em entrevista à Reuters. 
" A partir daí, atingimos patamares da economia, em termos de funcionamento, que mostram tipicamente alguma sustentabilidade", acrescentou. A confirmar-se um crescimento acima de 3%, será omelhor desempenho trimestral desde 2000.


Questionado sobre se o crescimento poderá ficar claramente acima de 2% no conjunto do ano, Mário Centeno respondeu: "sim, acho que é pacífico afirmar tal coisa". "Há uma aceleração da actividade, essa aceleração está sustentada em exportações e investimento e é algo que tem condições de permanecer durante vários trimestres", precisou.

O Orçamento do Estado deste ano foi feito com base numa previsão de crescimento de 1,8%, após a economia ter crescido 1,4% em 2016 e 1,6% em 2015. Há uma semana, em conversa com deputados croatas em Zagreb, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, referiu ser possível que Portugal atinja neste ano um crescimento económico à volta de 3,2% e um défice orçamental de 1,4% do PIB.


À Reuters, o ministro das Finanças resistiu avançar com um novo número, porque as "previsões são falíveis", mas disse não haver dúvida sobre o rumo. "Do ponto de vista da mensagem do Governo, o que gostava de manter é a mensagem que a economia tem um crescimento forte, sustentado e de facto em aceleração". "No Programa de Estabilidade projectamos uma aceleração da economia ao longo dos quatro anos do programa, é isso que é importante frisar", realçou o ministro, depois de chamar a atenção para o crescimento do emprego e para o "fenómeno novo de estarmos a convergir com a União Europeia".  "E antecipamos que essa tendência de convergência se mantenha ao longo de todo o ano de 2017 e o desejo de todos é que ela se possa prolongar por 2018".


Eventual "folga" no défice será para abater à dívida

Esta é a terceira entrevista consecutiva do ministro das Finanças a órgãos de comunicação internacionais direccionados para os mercados. Aproveitando a decisão da Comissão Europeia, que na segunda-feira recomendou aos ministros europeus das Finanças (Ecofin) que ponham termo ao procedimento dos défices excessivos a que Portugal está sujeito desde 2009, Mário Centeno falou ao canal de televisão norte-americano CNBC, à Bloomberg e agora à Reuters. 


Questionado sobre o que o governo fará se, em virtude de um maior crescimento do PIB o défice ficar abaixo dos 1,5% previstos no Orçamento, o ministro responde que qualquer eventual "folga" será destinada ao que possa melhorar as condições de financiamento da economia. "A importância que este Governo dá às condições de financiamento da economia portuguesa é um objectivo central da governação porque elas não afectam apenas o Estado", mas também as empresas e as famílias, explicou, antecipando novos reembolsos antecipados ao FMI. 


"Desta forma, melhoramos os indicadores gerais da nossa divida, maturidade mais larga e menor custo médio, garantindo a todos os participantes no mercado uma gestão cuidadosa das nossas responsabilidades. Esta não é uma nova política, mas permitirá concluir o reembolso antecipado deste empréstimo, especialmente oneroso para as contas públicas", argumentou o ministro.

Portugal pediu ontem aos seus pares europeus autorização para pagar antecipadamente cerca de 10 mil milhões de euros ao FMI. Em entrevista à Bloomberg TV, Mário Centeno disse que é essa por essa via, a par de uma política orçamental rigorosa, que o governo pretende inverter o crescimento da dívida pública, que ronda os 130% do PIB, e que dispensa condições mais vantajosas para pagar os empréstimos europeus, ao invés do que é reclamado pela Grécia e sugerido no recente relatório sobre a sustentabilidade da dívida criado pelo PS e Bloco de Esquerda.

Numa nota ontem publicada, a Fitch não antecipa "folga" no défice orçamental, prevendo que este volte a subir neste ano para valores próximos do limite máximo de 3% do PIB previsto nas regras europeias. Segundo as suas previsões, o défice passará de 2% em 2016 para 2,8% do PIB no final deste ano devido ao custo da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Descontando o esforço de capitalização do banco público, o défice baixaria para 1,7% (ligeiramente acima da previsão de 1,5% do governo) e deverá continuar a recuar para 1,4% em 2018. 

(notícia actualizada às 17h20)

A sua opinião35
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas

Isto é sempre bom num contexto de redução do défice público. E significa que o fardo do excedentarismo, da corrupção e demais despesismo iníquo e insustentável, extractor de valor do Estado, da economia e da sociedade, foi carregado durante este trimestre com um pouco menos de esforço pelos agentes económicos orientados para o mercado que inovam, investem, produzem e empreendem. Mas isto só adia o problema, não o resolve, porque não o extirpa nem extirpará enquanto não forem alcançados equilíbrios orçamentais cíclicos, coisa que só se fará quando o enquadramento económico e legal português permitir gerar, atrair e fixar o melhor e mais adequado talento e capital disponível no mercado global. Isso não se fará sem profundas reformas das normas e regras constitucionais, laborais, fiscais, administrativas e económicas portuguesas que tornem o mercado de trabalho tão flexível como os das economias mais avançadas e o mercado de capital tão forte e dinâmico como os dessas mesmas economias.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

contas marteladas e o que o ps adora fazer e depois passa a pasta para os proximos taparem os buracos que sao os portugueses com mais impostos e tudo e mais alguma coisa chulos vigaristas vieram meter o imposto sobre o patrimonio paguei mais irs este ano que anos anteriores e andavam a queixar se d

Bora Há 4 semanas

Força CR7

Anónimo Há 4 semanas

Tudo por causa do sorriso escancarado do Centeno. Se se tivesse arreganhado ainda mais no trimestre passado a economia portuguesa até era capaz de ter crescido quase tanto como na Lituânia (4,1%), na Letónia (3,9%), no Chipre (3,3%), em Espanha (3,3%) e na Eslováquia (3,1%). Assim ficou-se por uns modestos 2,8%. E há aqui entre os comentaristas uns quantos apaixonados por esse sorriso que já começaram a sair do armário. Só faltam as declarações de amor em correio rosa.

Xuta Ronaldo! Xuta Ronaldo ;-) Há 4 semanas

Xuta Ronaldo! Xuta Ronaldo ;-)

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub