Orçamento do Estado Centeno: "É um orçamento de escolhas"

Centeno: "É um orçamento de escolhas"

Mário Centeno apresenta o Orçamento "quando todas as medidas estão fechadas e quando a discussão está concluída". O ministro das Finanças sublinhou que o documento "tem como objectivo um país mais justo, consolidando os avanços de política económica de 2016".  
Centeno: "É um orçamento de escolhas"
Bruno Simão

O ministro das Finanças garantiu que o Orçamento está fechado e que as discussões com os partidos que apoiam a esquerda estão fechadas. Dizendo que é um Orçamento responsável, Mário Centeno garantiu, na conferência de imprensa, que apresenta um orçamento "quando todas as medidas estão fechadas e quando a discussão está concluída".

Durante a conferência de imprensa desta noite nas Finanças, o governante sublinhou que o documento "tem como objectivo um país mais justo, consolidando os avanços de política económica de 2016". Embora argumente que traz "justiça nas opções de tributação que promove", reconhece que "é um orçamento de escolhas". Centeno garante que "a consolidação das contas públicas estará sempre aliada às preocupações sociais".

 

Dizendo que é um Orçamento responsável, Mário Centeno garantiu, na conferência de imprensa, que apresenta um orçamento "quando todas as medidas estão fechadas e quando a discussão está concluída".

 

Centeno, que está a explicar a proposta de Orçamento para 2017, garante que é um Orçamento assente em três pilares: recuperação de rendimentos, capitalização das empresas e estabilização do sistema financeiro.

 

Três pilares em que dois pouco foram explorados. A capitalização das empresas e a estabilização do sistema financeiro não tomaram muito tempo de uma conferência de imprensa que começou perto das 20:40 e que terminou cerca de uma hora depois.

 

No que toca ao sistema financeiro, foi pela voz de Félix Mourinho que se falou da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, mas num contexto de 2016, ano em que serão apurados os valores para a injecção posterior. 

 

Na conferência de imprensa, Mário Centeno referiu por mais do que uma vez que este era um Orçamento de escolhas. Tal como quando apresentou o Orçamento de 2016, em Fevereiro deste ano, tinha dito que um orçamento é isso mesmo: fazer escolhas.

 

Uma tónica em toda a conferência foi o optimismo do ministro em relação ao mercado de emprego que assume estar a recuperar. Tal como já tinha acontecido no debate quinzenal, esta manhã, a tónica foi colocada na recuperação do emprego e diminuição do desemprego e menos na expansão económica.


(notícia actualizada às 22:20 com mais informação)




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

O deficit chama-lhe ESCOLHAS,eu chamo-lhe ENSAIOS,e a grande gravidade do ensaio e a gerigouca elevar a fasquia ao ponto de em vez de passar por cima dela,tera de passar por debaixo.Porque nao continua com a ideia de que se o povo beber 2 litros vai mijar 2,5 e meio?

Anónimo Há 3 semanas

Ufffa que alivio! A Austeridade acabou finalmente!

Anónimo Há 3 semanas

São as escolhas de um País pindérico, sem economia produtiva, com um Estado falido e com bancos estoirados, que uma geração de alucinados arruinou nos ultimos 30 anos.

Falando de escolhas Há 3 semanas

Este orçamento é 2 em 1: por um lado não promove novos investimentos, por outro lado desagrava a carga fiscal dos instalados ;) Um enorme embuste.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub